Avestruz passou por cirurgia após ser atacado por onça em bosque de Marília — Foto: Reprodução/TV TEM

A avestruz fêmea atacada por uma onça que invadiu o bosque municipal de Marília (SP), no sábado (26), morreu nesta sexta-feira (1º) após passar por uma segunda cirurgia para reconstruir o esôfago.

ave já havia passado por uma cirurgia de mais de cinco horas, mas um novo procedimento precisou ser feito. De acordo com a veterinária, Melissa Campitelli Ferreira, no final da cirurgia ela teve paradas cardiorrespiratórias e não resistiu.

A veterinária afirmou que a ave, que vivia há cinco anos no bosque, recebeu cuidados intensivos. Ainda segundo a veterinária, a fêmea lutou com a onça, que fugiu após o ataque.

“Existem sinais de luta em vários lugares do recinto. A gente acredita que a onça também tenha saído machucada, porque o avestruz é um animal forte, que se defende, tem uma unha que pode até fazer perfurações graves”, explica a veterinária.

Bosque municipal de Marília ficou fechado — Foto: Reprodução/TV TEM

Bosque ficou fechado

O bosque municipal Rangel Pietraróia ficou fechado por três dias, mas foi reaberto na quarta-feira (30). A prefeitura informou que, temporariamente, o horário de visitação será das 8h às 17h30, duas horas e meia a menos do que antes.

A alteração foi feita após orientações da Polícia Ambiental sobre os hábitos noturnos de caça de uma onça. O bosque municipal recebe milhares de visitantes aos fins de semana.

A secretaria juntamente com a polícia orienta para que moradores evitem a área em torno do bosque municipal no período noturno.

Veterinária diz que há sinais de luta no bosque de Marília — Foto: Reprodução/TV TEM

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.

VOCÊ PODE GOSTAR

'Forte’ em ‘delivery de drogas’, rapaz é denunciado e acaba preso pela Polícia Civil

Diante da situação, o rapaz recebeu voz de prisão e conduzido para a Delegacia Especializada.

Corpo de homem recém-saído da cadeia é achado ao lado de rodovia em Marília

A identificação da vítima foi possível porque foi encontrado em seu bolso um alvará de soltura em seu nome.

Diocese afasta padres investigados por abusos sexuais

Os abusos teriam ocorridos entre anos de 2002 e 2003.