Motorista que matou PM na região usava carro de mulher encontrada morta no RJ

Polícia Civil de São Manuel investiga se o suspeito, que também morreu na troca e tiros com os policiais, tem relação com o crime no Rio de Janeiro. Corpo da mulher foi encontrado dentro de uma geladeira.

O motorista que matou um policial militar em São Manuel (SP) e morreu em uma troca de tiros com outros três policiais usava o carro de uma mulher que foi encontrada morta neste fim de semana em Miguel Pereira, no Rio de Janeiro. O tiroteio aconteceu em um posto de combustível na última quarta-feira (25).

O corpo de Ione Angélica dos Santos foi encontrado pelo irmão da vítima dentro da geladeira da casa dela no sábado (28). Ela estava desaparecida há alguns dias, segundo os familiares.

De acordo com a delegada responsável pelo caso, Michela Ragazzi, Ione tinha um relacionamento com Luan Nilton Martins, o suspeito de matar o tenente Felipe Atanazio, que tinha 24 anos.

A polícia investiga agora se o suspeito de matar o tenente tem alguma relação com a morte da mulher no Rio de Janeiro, já que ele estava com o carro dela quando sofreu a colisão em São Manuel e, ao ser abordado pelo policial, atirou contra ele e outros três PMs que estavam no local. Além do tenente que morreu, outros dois policiais ficaram feridos.

Câmeras do circuito de segurança registraram a troca de tiros que terminou com as duas mortes.

Segundo informações da polícia, a equipe da PM voltava de um curso em São Paulo quando pararam em um posto de combustíveis na Rodovia Marechal Rondon, em São Manuel, e perceberam que tinha ocorrido uma colisão entre dois carros e foram orientar os envolvidos.

Ao ser abordado, Luan começou a atirar. Os policiais revidaram e o Luan foi morto. Dois policiais ficaram feridos e foram levados para o Hospital das Clínicas de Botucatu, um deles já recebeu alta.

Tenente Felipe Atanazio foi morto durante uma troca de tiros (Foto: Arquivo Pessoal)

A polícia já tinha informação de que Luan cumpria pena em regime semiaberto por roubo no estado do Rio de Janeiro e agora apura a relação dele com esse outro crime também no Rio, o que pode ajudar a atender o que levou o suspeito a atirar nos policiais quando foi abordado.

O tenente e os outros três policiais são do Batalhão da PM em Bauru, cidade onde o corpo de Felipe, que tinha 24 anos, foi enterrado com honrarias militares.

Tenente Felipe Atanázio foi enterrado em Bauru — Foto: Reprodução/TV TEM

#MAIS LIDAS DA SEMANA