Caso Emanuelle: laudo aponta que menina morreu por hemorragia aguda em decorrência das facadas

Segundo delegado, polícia ainda aguarda laudo sobre possível presença de materiais biológicos para saber se houve abuso sexual. Menina de 8 anos foi morta em Chavantes (SP) por vizinho da família.

A Polícia Civil divulgou, nesta segunda-feira (27), resultados de novos laudos sobre a morte de Emanuelle, a menina de 8 anos que foi assassinada com 13 facadas em Chavantes (SP).

Segundo o delegado Gabriel Salomão, o documento apontou que a causa da morte da garota foi hemorragia aguda traumática, em decorrência dos ferimentos por arma branca.

De acordo com o delegado, o laudo comprovou que uma faca foi utilizada para matar Emanuelle Pestana de Castro, de 8 anos. Além disso, o laudo necroscópico concluiu que a vítima não apresentou sinais de conjunção carnal.

Menina desaparece enquanto brincava em praça perto de casa em Chavantes — Foto: Arquivo pessoal
Menina desaparece enquanto brincava em praça perto de casa em Chavantes — Foto: Arquivo pessoal

Outros dois laudos já tinham sido divulgados na quinta-feira (23), que comprovaram dados que a polícia já tinha, como a maneira que Emanuelle foi morta.

Agora, o delegado informou que aguarda o resultado do exame toxicológico, que vai investigar a presença de materiais biológicos, como sêmen, no corpo da menina, para saber se houve algum tipo de abuso sexual.

As provas serão anexadas ao inquérito, que será encaminhado ao Ministério Público e provavelmente arquivado, já que Aguinaldo Guilherme Assunção foi encontrado morto em sua cela.

Além da investigação sobre a morte de Emanuelle, a Polícia Civil apura um incêndio criminoso que atingiu a casa de Aguinaldo, mas ainda não tem suspeitas da autoria do crime.

Crime
Emanuelle foi encontrada morta no dia 13 janeiro, na zona rural de Chavantes, depois de ficar três dias desaparecida. Aguinaldo confessou que matou a menina à polícia e indicou o local do corpo.

Ela brincava em uma praça de Chavantes no dia 10 de janeiro quando desapareceu. Emanuelle foi enterrada no dia 14 de janeiro no Cemitério Municipal de Chavantes, sob forte comoção.

Segundo a polícia, a criança foi atraída pelo homem para colher mangas em uma área de mata e foi morta com 13 facadas.

Aguinaldo relatou à polícia que matou Emanuelle por vingança contra a mãe dela que, segundo ele, não deixava que ela brincasse com o enteado dele.

Segundo a mãe de Emanuelle, ela só queria a segurança da filha, que ela brincasse com meninas da idade dela, não com um menino de 12 anos. A mãe também contou ao G1 que está vivendo um pesadelo desde o desaparecimento da filha.

Aguinaldo foi preso por homicídio qualificado e ocultação de cadáver e estava no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cerqueira César desde a audiência de custódia. Na manhã do dia 15 de janeiro, ele foi encontrado morto na cela com um lençol enrolado no pescoço.

Moradores de Chavantes protestaram contra o enterro dele na cidade. Por causa da manifestação, o corpo de Aguinaldo foi enterrado em Ourinhos.

Segundo o delegado Antônio José Fernandes Vieira, Aguinaldo já havia sido condenado e cumpriu pena em 1988 por ter assassinado o irmão.

O delegado também afirmou que, mesmo depois da morte de Aguinaldo, a investigação sobre o caso vai prosseguir normalmente.

Agnaldo é vizinho de Emanuelle e confessou que matou a menina a facadas em Chavantes — Foto: Reprodução/TV TEM
Agnaldo é vizinho de Emanuelle e confessou que matou a menina a facadas em Chavantes — Foto: Reprodução/TV TEM

Câmeras de segurança

A polícia chegou ao Agnaldo depois de analisar as imagens das câmeras de segurança próximas à praça do bairro Cohab, onde Emanuelle brincava na tarde de sexta-feira, 10 de janeiro.

A polícia verificou que Aguinaldo aparecia duas vezes no vídeo. O que chamou a atenção da polícia é que entre uma aparição e outra, registradas no mesmo dia, ele está com roupas diferentes. Em um primeiro momento, o homem aparece de camiseta branca e a pé, e passa ao lado da garota, que caminha pelo bairro.

Depois, em outra câmera de segurança, Agnaldo é visto perto da praça de camiseta vermelha e em uma bicicleta. Ele vai na direção da criança, que aparece no canto direito de vestido branco, e faz abordagem. Em seguida, ele sai com a bicicleta e a menina é vista atravessando a via.

Aguinaldo já havia prestado depoimento à polícia e negado saber de qualquer informação sobre o desaparecimento da criança. Contudo, ele acabou confessando o crime à polícia, depois de confrontado com as imagens das câmeras de segurança.

Imagens em que a menina aparece brincando na praça e a caminho do parquinho em Chavantes também foram analisadas pela polícia.

#MAIS LIDAS DA SEMANA