Mulher é presa após ONG denunciar cadela infestada de larvas em Ipaussu

Branquinha, que recebeu o nome na clínica veterinária, foi encontrada desidratada, suja, sem conseguir se manter sobre as quatro patas e corre o risco de ser sacrificada. Dona do animal foi detida com base na nova lei de maus-tratos, sancionada essa semana pelo presidente Jair Bolsonaro.

Branquinha recebe cuidados em clínica veterinária de Ipaussu — Foto: Adolfo Lima/TV TEM

Uma mulher de 52 anos foi presa por prática de abuso de animais nesta quinta-feira (1º) depois da denúncia de uma ONG sobre uma cadela infestada de larvas em Ipaussu (SP).

Segundo o boletim de ocorrência, a ONG acompanhou o atendimento veterinário da cachorra e, na avaliação clínica do animal, constava que o ela não conseguia se manter sobre as quatro patas, estava apática, desidratada, infestada de pulgas e carrapatos, com os pelos embolados e sujos com fezes e urina.

Além disso, de acordo com o BO, a cabeça do animal estava cheia de larvas, apresentava secreções e ele já não enxerga mais. Segundo o registro policial, a cachorrinha parecia não ser cuidada há meses.

A Branquinha, que ganhou o nome na clínica veterinária, seguia internada recebendo cuidados na manhã desta sexta-feira (2). Os profissionais aguardavam exames para saber o estado de saúde dela, mas informaram que ela corre o risco de ser sacrificada.

A dona da casa onde Branquinha morava foi localizada pela polícia e presa em flagrante pelo crime de maus-tratos, conforme a nova redação da lei, que prevê pena de até 5 anos de reclusão. Ela foi levada para a cadeia pública de São Pedro do Turvo, onde ficou à disposição da Justiça.

ONG denunciou maus-tratos de cachorrinha em Ipaussu — Foto: Adolfo Lima/TV TEM

#MAIS LIDAS DA SEMANA