Articulador de quadrilha que adulterava semirreboques é preso em Ourinhos: ‘Cooptava clientes’, diz delegado

Polícia prendeu oito pessoas, incluindo o principal articulador do esquema, e cumpriu mandados de busca e apreensão em várias cidades. Grupo alterava veículos com objetivo de aumentar capacidade de carga, o que é proibido por lei.

Polícia Civil apreendeu celulares e documentos durante operação em Ourinhos — Foto: TV TEM/Reprodução

A Polícia Civil prendeu em Ourinhos (SP) o principal articulador da organização criminosa investigada por alterar semirreboques de caminhões com o objetivo de dar maior capacidade de carga a ser transportada, o que é proibido por lei. A operação Transformers foi deflagrada nesta quarta-feira (4).

Presidida pela Delegacia Seccional de Adamantina, a operação cumpre mandados de prisão e de busca e apreensão, além de medidas cautelares, em cidades nos estados de São Paulo e do Paraná.

Segundo a Polícia Civil, foram cumpridos 33 mandados de busca e apreensão, sete mandados de prisão e um flagrante por posse de arma de fogo. No centro-oeste paulista, foram apreendidos documentos e três pessoas foram presas: duas em Ourinhos e uma em Santa Cruz do Rio Pardo.

De acordo com o delegado Edmar Rogério Dias Caparroz, a investigação começou há mais de um ano e, nesta quarta-feira (4), foi deflagrada uma etapa de campo e o homem suspeito de ser o principal articulador do esquema foi preso.

“Esse articulador cooptava clientes em todo o território nacional, direcionava esses caminhões para a cidade de Pacaembu porque lá existe um despachante que cuidava da documentação primeira, posteriormente direcionava para o estado do Paraná para vistoria no órgão do Inmetro”, explica o delegado.

Polícia Civil deflagrou a Operação Interestadual Transformers — Foto: Polícia Civil/Divlgação

Segundo Caparroz, o suspeito também mantinha contato com oficinas mecânicas que faziam parte do esquema para introdução do quarto eixo nos caminhões e com agentes públicos que trabalham nos órgãos de trânsito.

A legislação de trânsito proíbe essa modificação feita nos caminhões pela organização criminosa a fim de obter vantagem financeira, transportando uma carga maior e reduzindo o custo de frete. Segundo o delegado, a inserção do quarto eixo nos veículos pode gerar riscos viários.

“Estudos demonstram que essa modificação acarreta prejuízo na frenagem dos caminhões, possibilidade de tombamento e desgaste da pista asfáltica”, explica.

Durante a operação, foram apreendidos aparelhos celulares, computadores, documentos de veículos e parte dos caminhões adulterados. Com o principal articulador, a polícia informou que apreendeu uma lista com clientes e que, a partir disso, vai dar continuidade à investigação para identificar mais pessoas envolvidas no esquema.

Quadrilha adulterava caminhões para aumentar capacidade de carga — Foto: Polícia Civil/Divulgação

#MAIS LIDAS DA SEMANA