Mãe e filha foram encontradas enterradas no quintal de casa em Pompeia (Foto: Divulgação)

A Justiça adiou o julgamento, anteriormente marcado para o próximo dia 28 de abril, do psicólogo Fabrício Buim Arena Belinato, de 36 anos, acusado de matar a esposa, Cristiane Pedroso Arena, de 34 anos, e a enteada Karoline Vitória, de apenas nove anos, achadas enterradas na casa onde moravam em Pompéia (SP), no dia 2 de fevereiro de 2021.

O processo está em segredo de Justiça e o réu é atendido pela Defensoria Pública. A nova data e horário não foram informados pelo tribunal. Ele é acusado de duplo feminicídio, dupla ocultação de cadáver e corrupção de menor.

Fabrício se encontra preso na penitenciária de Tremembé (SP). A filha de Cristiane e irmã de Karoline, de 16 anos, deve participar do júri. Ela é acusada de envolvimento nos crimes e apontou aos policiais, no dia da descoberta dos corpos, o local onde estava enterrado o corpo da irmã.

A adolescente negou participação no crime, mas a polícia acredita que ela deu cobertura ao padrasto e ajudou a enterrar os corpos.

Acata denúncia

A Justiça de Pompéia definiu que o psicólogo iria a júri popular. A sentença de pronúncia do réu ocorreu no dia 28 de setembro de 2021. O caso tramita sob sigilo.

A primeira audiência do caso foi realizada no último dia 29 de julho, de forma remota, com o acusado participando de forma virtual a partir do presídio de Tremembé, onde está preso.

Na ocasião, a adolescente de 16 anos, filha da vítima e suspeita de participação no crime, também foi ouvida remotamente a partir da Fundação Casa de Cerqueira César (SP), onde está apreendida.

A Justiça acatou denúncia do Ministério Público, que indiciou o psicólogo pelos crimes de duplo homicídio, com as qualificadoras de motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, além de duplo feminicídio, dupla ocultação de cadáver e corrupção de menor.

O crime de feminicídio tem pena que varia de 12 a 30 anos de prisão, e a ocultação de cadáver de um a três anos.

Suspeito de duplo homicídio cometido em Pompéia foi preso em Campo Grande (Foto: Arquivo pessoal)
Suspeito de duplo homicídio cometido em Pompéia foi preso em Campo Grande (Foto: Arquivo pessoal)

Entenda o caso

Cristiane Pedroso dos Santos Arena, de 34 anos, e sua filha Karoline Vitória dos Santos Guimarães, de apenas nove anos, estavam desaparecidas desde o fim do ano passado. Os corpos delas foram encontrados enterrados no quintal da casa onde moravam, sob um contrapiso de concreto.

No dia em que os corpos foram localizados, a filha de 16 anos da vítima foi apreendida por suspeita de participação no crime. Ela foi encaminhada inicialmente à Fundação Casa de Araçatuba (SP) e atualmente segue apreendida em unidade de Cerqueira César.

Já o psicólogo foi capturado em 8 de fevereiro, em Campo Grande, enquanto trabalhava em uma obra. Ele foi transferido para Marília (SP) no dia seguinte e disse à imprensa que se arrependeu do crime.

Segundo o delegado, Fabrício chegou a pedir abrigo a uma igreja em uma cidade do Mato Grosso do Sul como se fosse um morador de rua. Ele fez todas as refeições diárias e higiene pessoal na instituição enquanto estava foragido.

Polícia encontra corpos de mãe e filha enterrados em quintal de casa em Pompeia (Foto: João Trentini/Divulgação)
Polícia encontra corpos de mãe e filha enterrados em quintal de casa em Pompeia (Foto: João Trentini/Divulgação)

Em depoimento à polícia, Fabrício detalhou que matou a esposa primeiro em uma briga, em suposta legítima defesa, com um golpe de faca. Em seguida, ele admitiu que matou a menina asfixiada com a mão quase um mês depois porque ela estaria questionando sobre a presença da mãe.

Porém, o laudo do IML que apontou a causa das mortes trouxe informações diferentes que contradizem a versão do acusado. A polícia acredita que as vítimas poderiam estar dormindo quando foram mortas.

A principal linha de investigação da Polícia Civil é que a adolescente apreendida mantinha um envolvimento amoroso com o padrasto. Por isso, além do duplo homicídio e ocultação de cadáver, Fabrício é investigado por estupro de vulnerável pois teria abusado sexualmente da enteada mais velha há vários anos.

Cristiane Arena, de 34 anos, e sua filha Karoline Vitória, de 9 anos, estavam desaparecidas desde o fim de novembro (Foto: Arquivo pessoal)
Cristiane Arena, de 34 anos, e sua filha Karoline Vitória, de 9 anos, estavam desaparecidas desde o fim de novembro (Foto: Arquivo pessoal)
Deixe um comentário

Esta é uma área exclusiva para membros da comunidade

Faça login para interagir ou crie agora gratuitamente sua conta e faça parte.

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.

VOCÊ PODE GOSTAR

Soldado da Polícia Militar morre em capotamento de veículo 

Soldado da Polícia Militar morre em capotamento de veículo na Rodovia Arlindo Bétio

Mulher é presa após fazer mais de 3 mil ligações telefônicas para ‘perturbar’ o trabalho da polícia

Envolvida irá responder pelo crime de atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública