Sessão é marcada por protestos de cidadãos na tribuna

Três cidadãos utilizaram a tribuna para manifestar suas insatisfações com o Poder Público. Apenas um projeto foi aprovado na noite desta quarta-feira.

Sessão é marcada por protestos de cidadãos na tribuna (Foto: Assessoria Câmara)

A 40ª sessão ordinária da Câmara Municipal de Assis foi marcada por protestos de cidadãos assisenses descontentes com algumas situações no município. O primeiro a utilizar a tribuna foi Marcio Toledo Marrelli em que colocou a público sua denúncia contra a Prefeitura Municipal ao MP sobre a desapropriação de um terreno de propriedade de sua família nas proximidades do antigo colégio Diocesano.

O segundo munícipe a utilizar a tribuna foi José André dos Santos que criticou o descaso do Poder Público em relação à mudança de uma torre de celular na Rua Cândido Mota, na Vila Rodrigues. E o terceiro manifestante da noite de quarta-feira foi Luciano Silva, coordenador do Movimento Sem Terra, em que 140 famílias estão acampadas na Água do Cervinho.  A queixa feita pelo líder do MST é contra a Prefeitura que ameaçou cessar o fornecimento de água ao acampamento.

O presidente da Câmara, Celio Diniz, disse que providenciará requerimentos solicitando explicações do Executivo quanto as reclamações dos cidadãos. O vereador Arlindo Alves de Sousa adiantou aos integrantes do MST que providenciará uma reunião com o prefeito Ezio Spera para os próximos dias para solucionar o problema.

Ordem do dia – Apenas um projeto foi aprovado, de autoria do vereador José Fernandes que denomina a Rua Pedro Hernandes à Rua 9 do Portal São Francisco. Outro projeto de denominação de rua do vereador Kiko Binato saiu da pauta por sua ausência em plenário.

O projeto do Executivo que dá nova redação ao Parágrafo 3º. do artigo 8º, da Lei Complementar nº 03, de 04 de abril de 2.008, que dispõe sobre revisão geral anual dos vencimentos dos servidores municipais foi retirado a pedido do próprio Executivo, sem justificativa. Em seguida, o presidente da Câmara, Celio Diniz, fez a leitura do parecer contrário emitido pelo Conselho Municipal da Educação.

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA