Vereador fala sobre a proposta de renovação de contrato com a SABESP

Timba observa que antes de firmar acordo é necessário contratar uma equipe técnica para fazer um levantamento da situação dos recursos hídricos.

Timba na Tribuna

Para o vereador João da Silva Filho, o Timba, do DEM, o Poder Executivo, antes de firmar qualquer acordo de renovação com a Sabesp, deveria contratar uma equipe técnica para fazer todo um levantamento da real situação dos recursos hídricos da cidade, pois, a titularidade da água é do Município e não da Companhia prestadora de serviços. Também, na opinião do edil, torna-se difícil discutir a renovação da concessão antes mesmo da elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB), marco regulatório do saneamento básico, que estabelece a participação da comunidade debatendo os 04 (quatro) eixos principais: água, esgotamento, tratamento de esgoto, lixo urbano, e águas pluviais urbanas.

Timba observa que o contrato de exploração dos recursos hídricos do Município é feito por um período de 30 (trinta) anos, embora possa ser revisto a cada quatro anos, mas, com certeza, deve-se observar a questão urgente do Distrito Industrial e outras regiões da cidade, que ainda são desprovidas de esgoto.

Depósito de lixo próximo a nascente (Foto: Assessoria)

Passados 30 anos, Assis ainda não conta com uma usina de tratamento de esgoto completa, e somente dois piscinões de decantação, sem contar que, por falta de investimentos, 8 (oito) nascentes estão totalmente poluídas com esgoto e lixo; são elas: Água da Porca, “a mais importante”, Água do Óleo, Água do Freire, Água da Cabiúna, Água do Jacu, Água do Matão, Água do Pavãozinho e Água da Fortuninha.

Timba observa que, o Poder Executivo só se mostra preocupado com a contrapartida e vem se reunindo com os vereadores para uma eventual negociação de valores em favor do Município, o que é justo, e já vem acontecendo desde 2009 sem sucesso. Para o vereador, da forma que o Executivo está conduzindo a questão, sem nenhum estudo técnico da real situação, e somente pensando nas vantagens financeiras, a renovação não se mostra interessante.

Timba pensa, que para um contrato com 30 (trinta) anos, que afetará grandemente as próximas gerações, as questões ambientais e sociais devem prevalecer sobre os valores envolvidos na contrapartida.

No próximo dia 22 de março comemora se o Dia Mundial  da Água, “com certeza temos que dar um viva a este liquido precioso e ao mesmo tempo economizar, não jogar lixo doméstico em qualquer lugar, e  sermos guardiões da preservação das nascentes,  para não faltar para as gerações futuras , este liquido precioso”, finaliza o vereador.

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA