Fique conectado

Polí­tica

Bolsonaro oferece vaga de vice na chapa ao PR

Publicado em

8

Pré-candidato à Presidência pelo PSL, o deputado federal Jair Bolsonaro (RJ) ofereceu ao PR a vaga de candidato a vice-presidente em sua chapa. O presidenciável busca aliança com o partido para aumentar seu tempo na propaganda eleitoral no rádio e na TV. O PR pode agregar cerca de 45 segundos ao tempo de Bolsonaro. Sozinho pelo PSL, ele teria menos de 10 segundos. A oferta para dividir a chapa foi feita ao senador Magno Malta (PR-ES).

“Tenho conversado com o Magno não é de hoje. Acho um excelente parlamentar. E logicamente, se prosperar nossa ideia de disputar a convenção agora para presidente da República, o Magno Malta, se quiser somar conosco, da minha parte está fechado”, afirmou Bolsonaro ao Estadão/Broadcast. “Já conversei com ele, mas não aprofundamos detalhes”, disse ele. Procurado ontem, Malta não foi encontrado.

O senador é o principal interlocutor de Bolsonaro no PR. O presidenciável, contudo, também tem boa relação com o ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP), que, na prática, é quem comanda o partido. Os dois assumiram o primeiro mandato na Câmara na mesma época, em 1991, e foram colegas até 2005, quando Costa Neto renunciou ao mandato em razão do envolvimento no escândalo do mensalão, no qual foi condenado anos depois por corrupção e lavagem de dinheiro.

“Se não for o Magno, a ideia é que seja alguém do PR do Nordeste”, disse o deputado Delegado Fernando Francischini (PSL-PR), um dos coordenadores da pré-campanha de Bolsonaro. Segundo ele, o PR tem muitos filiados na região com perfil parecido com o que Bolsonaro procura. O parlamentar, porém, não quis citar nomes.

Em troca do tempo de TV, Bolsonaro acena ao PR com coligações nas eleições proporcionais de deputados nos Estados. Para o PSL, a popularidade do presidenciável pode ajudar o PR a eleger o maior número de deputados federais, aumentando sua influência política e sua participação no Fundo Partidário – cuja maior parte é dividida proporcionalmente ao tamanho das bancadas na Câmara.

Sem unanimidade

O apoio a Bolsonaro, porém, divide o PR. Os principais entusiastas são os parlamentares que integram a chamada “bancada da bala”. “Ele pode ajudar a gente a aumentar o número de deputados eleitos”, disse o deputado Jorginho Mello (PR-SC).

A resistência a Bolsonaro vem principalmente de integrantes do partido no Nordeste. “Se eu estiver com Bolsonaro na Bahia, estou morto”, disse o líder do PR na Câmara, José Rocha (BA). Ele afirmou que a “tendência” hoje é apoiar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ou o governador Geraldo Alckmin (PSDB). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade

Polí­tica

Dilma é surpreendida por recado em seu prato

Petista recebeu louça com a frase ‘sempre nossa presidenta’ escrita com a calda de sua sobremesa.

Publicado em

Do MSN

A ex-presidente cassada Dilma Rousseff (PT) recebeu um recado inusitado ao fazer uma refeição em um restaurante. A petista recebeu sua sobremesa em um prato que trazia a frase “sempre nossa presidenta” escrita na louça.

Dilma compartilhou a imagem do doce em seu perfil no Instagram, nesta sexta-feira. “Uma delicada gentileza que me encheu o coração de alegria. Muito obrigada”, escreveu na legenda da foto. A ex-presidente não deu detalhes sobre o restaurante onde estava.

No final de junho, Dilma confirmou que vai se candidatar ao Senado por Minas Gerais, Estado onde nasceu. “Eu não vou me furtar a participar de uma luta do ponto de vista eleitoral”, explicou a petista, fazendo menção à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), condenado e preso pela Operação Lava Jato, e ao processo de impeachment que ela sofreu em 2016.

Uma delicada gentileza que me encheu o coração de alegria. Muito obrigada.

Uma publicação compartilhada por Dilma Rousseff (@dilmarousseff) em

Continue lendo

*

Presidente do TRF-4 determina que Lula deve continuar preso

Desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz se manifestou sobre decisões divergentes envolvendo a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Publicado em

O Presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, determinou na noite deste domingo (8) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) continue preso e que o processo retorne ao relator dos casos da Lava Jato na Corte, desembargador federal João Pedro Gebran Neto.

“Nessa equação, considerando que a matéria ventilada no habeas corpus não desafia análise em regime de plantão judiciário e presente o direito do Des. Federal Relator em valer-se do instituto da avocação para preservar competência que lhe é própria (Regimento Interno/TRF4R, art. 202), determino o retorno dos autos ao Gabinete do Des. Federal João Pedro Gebran Neto, bem como a manutenção da decisão por ele proferida no evento 17”, destacou Thompson Flores no despacho.

A discussão teve início com a decisão do desembargador federal plantonista do TRF-4 Rogério Favreto, que mandou soltar Lula na manhã deste domingo, o que ocasionou uma sequência de decisões divergentes envolvendo a soltura do ex-presidente.

Veja as decisões deste domingo:

  • Pela manhã, o desembargador federal plantonista do TRF-4, Rogério Favreto decidiu conceder liberdade a Lula.
  • Em seguida, o juiz Sérgio Moro afirmou que o desembargador plantonista não tinha competência para mandar soltar Lula.
  • Logo depois, Favreto emitiu um novo despacho, reiterando a decisão de mandar soltar o ex-presidente.
  • No início da tarde, o Ministério Público Federal pediu a reconsideração da decisão sobre o pedido de soltura.
  • O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, relator dos processos da Lava Jato em segunda instância, determinou que não fosse cumprida a decisão de Favreto.
  • Em resposta ao relator, o desembargador federal plantonista do TRF-4, Rogério Favreto voltou a ordenar a soltura do ex-presidente Lula.

Favreto é desembargador plantonista e já foi filiado ao PT. Ele se desfiliou ao assumir o cargo no tribunal.

Em setembro de 2016, durante votação da Corte Especial do TRF-4, ele foi o único que votou a favor da abertura de um processo administrativo disciplinar contra Moro e por seu afastamento cautelar da jurisdição, até a conclusão da investigação.

O juiz Moro está em férias, mas, segundo a assessoria da Justiça Federal do Paraná, “por ser citado como autoridade coatora no habeas corpus, ele entendeu possível despachar no processo”.

O presidente do TRF-4 explicou em sua decisão que o plantão judiciário não se destina ao exame de um pedido já apreciado pela Corte. Assim, determinou que a Polícia Federal se abstenha de modificar a decisão colegiada da 8ª Turma do TRF-4.

“Não há negar a incompetência do órgão jurisdicional plantonista à análise do writ e a decisão de avocação dos autos do habeas corpus pelo Des. Federal Relator da lide originária João Pedro Gebran Neto há de ter a sua utilidade resguardada neste momento processual”, diz parte do despacho.

Lula condenado

Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele é o primeiro ex-presidente do Brasil condenado por crime comum.

O petista se entregou à Polícia Federal no dia 7 de abril. Ele está em uma sala especial de 15 metros quadrados, no 4º andar do prédio da PF, com cama, mesa e um banheiro de uso pessoal. O espaço reservado é um direito previsto em lei.

Continue lendo

*

Vereadores pediram anulação de multas, afirma ex-servidora sobre suposta fraude em Assis

Mulher denunciou suposto esquema de ‘Fábrica de Multas’ no Departamento de Trânsito. Operação realizada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público apreendeu documentos, computadores e R$ 5 mil em dinheiro.

Publicado em

Durante a sessão da Câmara de Assis (SP), realizada na segunda-feira (2), a ex-funcionária pública que denunciou a suposta “Fábrica de Multas” prestou depoimento sobre o caso e deu detalhes de como o esquema funcionava.

Segundo Alessandra da Silva, os vereadores da cidade faziam reuniões com o ex-diretor do Departamento de Trânsito, Leonardo de Godoy, e pediam para que multas fossem anuladas.

Chefe do Departamento de Trânsito de Assis (SP) alegou que dinheiro encontrado era um empréstimo pessoal (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

A ex-funcionária denunciou ao Ministério Público e à Polícia Civil que agentes de trânsito recebiam comissão de R$1,73 por multa aplicada, e que isso teria sido a causa do crescimento acentuado do número de infrações aplicadas na cidade.

Ainda no depoimento, Alessandra disse que havia favorecimento pra que fossem atendidos recursos de multas de apenas um despachante.

Em uma operação realizada pela Polícia Civil, juntamente com o Ministério Público no dia 25 de junho, após a denúncia, foram apreendidos documentos, computadores e R$ 5 mil em dinheiro encontrados na gaveta do chefe do departamento de trânsito.

Enquanto as investigações estão em andamento, a Prefeitura de Assis optou por afastar o chefe do Departamento de Trânsito da cidade.

A operação foi deflagrada após várias reclamações que começaram a chegar no ano passado, de cidadãos que dizem ter recebido multas em excesso e até autuações de infrações que não teriam cometido.

Ex-funcionária que denunciou esquema de ‘Fábrica de Multas’ em Assis presta depoimento (Foto: Reprodução/TV TEM)

Continue lendo
WhatsAssp AssisNews
classificados
Publicidade

FaceNews

Mais lidas