Fique conectado

Polí­tica

Vice-prefeito renuncia em Palmital; prefeito diz ‘respeitar decisão’

Com a decisão, o cargo de vice prefeito de Palmital está vago.

Publicado em

253

Júlio Toshio Yamamoto, agora ex-vice prefeito de Palmital (Foto: Reprodução/Jornal da Comarca)

O vice-prefeito de Palmital (SP) Júlio Toshio Yamamoto, protocolou nessa segunda feira um documento no qual renuncia ao seu cargo já a partir desta segunda-feira (18). Yamamoto foi eleito em 2016 e assumiu o cargo em 2017, ao lado do atual prefeito José Roberto Ronqui.

No documento apresentado, o vice-prefeito afirma que sua decisão de renúncia ‘tem efeitos imediatos, é ‘irretratável e irrevogável’. Com a decisão, o cargo de vice prefeito de Palmital está vago. No caso de ausência do prefeito, o presidente da Câmara de Vereadores assume o cargo.

“Deixo o cargo público a mim conferido pela população deste município, por motivo pessoal, de foro íntimo e em respeito a todos os votos que me foram confiados pela população palmitalense, a quem agradeço de coração o carinho, o respeito e a confiança que me foram depositados nas urnas’, disse o vice prefeito na carta renúncia.

O documento de renúncia foi protocolado na prefeitura de Palmital ao prefeito José Roberto Ronqui; na Câmara de Vereadores ao presidente Francisco de Souza Caninha e também ao juiz eleitoral da 83ª Zona Eleitoral de Palmital, Luís Fernando Vian.

‘Respeito a decisão’

Por sua vez, o prefeito José Roberto Ronqui disse ao “O Diário do Vale” que respeita a decisão do vice-prefeito. Segundo disse, ‘trata-se de uma decisão pessoal’. “A gestão, independente da decisão do vice-prefeito, continua trabalhando normalmente em favor do município e da população”, completou Ronqui.

Polí­tica

Jovem é agredida após namorado confundir motorista de aplicativo com ‘amante’

Caso foi registrado em Bauru (SP). Homem não foi preso.

Publicado em

Do G1

Uma jovem de 22 anos foi agredida e ameaçada de morte pelo namorado na madrugada de domingo (19), após chegar na casa dele com o motorista de um aplicativo, no Jardim Redentor, em Bauru.

Segundo consta no boletim de ocorrência, o rapaz não acreditou que o carro em que ela chegou era de um motorista de aplicativo e a acusou de ter um amante.

Ao descer do carro ela foi agredida com socos e chutes. Ela chegou a cair no chão por conta das agressões físicas. A jovem relatou que o namorado também lhe deu um golpe conhecido como ‘mata-leão’ e disse que ia matá-la.

Para fugir das agressões, ela se jogou na frente de um carro que passava pela rua e pediu socorro ao motorista, que parou para ajudá-la. Ela foi levada até uma base da Polícia Militar próximo ao Jardim Cruzeiro do Sul.

O caso foi registrado na Polícia Civil como violência doméstica, ameaça e lesão corporal. Ninguém foi preso.

Continue lendo

Polí­tica

Novo integrante da Mesa Diretora assume após Camarguinho deixar vaga

Eleição ocorreu na última segunda-feira (13).

Publicado em

Do AssisNews
Valmir Dionizio assume como Primeiro Secretário (Foto: Câmara Municipal de Assis)

Na Sessão Ordinária desta segunda-feira, dia 13 de maio, o presidente Alexandre Cachorrão seguindo o Regimento Interno da Câmara Municipal de Assis, fez nova eleição para ocupar a vaga deixada pelo vereador Eduardo de Camargo Neto, como Primeiro Secretário da Mesa Diretora.

O vereador Valmir Dionizio se candidatou e foi eleito com 13 votos favoráveis e duas ausências.

Assim que o resultado foi anunciado, o vereador foi imediatamente empossado e passou a ocupar a cadeira como Primeiro Secretário na Mesa Diretora da Câmara Municipal.

Continue lendo

Polí­tica

Ex-prefeito de Assis e secretários são condenados por esquema de compras sem licitação

Justiça Federal multou Ézio Spera em mais de R$ 250 mil e cassou seus direitos políticos por atos cometidos entre 2009 e 2011. Outros três secretários também foram condenados. Decisão é de primeira instância e cabe recurso.

Publicado em

Do G1

A Justiça Federal de Assis (SP) condenou nesta sexta-feira (10) por improbidade administrativa o ex-prefeito da cidade, Ézio Spera (PSD), e os ex-secretários, Eduardo de Camargo Neto (Saúde), Flávio Herivelto Moretoni Eugênio (Fazenda) e Ângela de Fátima Canassa das Neves (Educação) por compras irregulares sem licitação.

De acordo com a sentença do juiz Luciano Tertuliano da Silva, nos anos de 2009 a 2011, o grupo fez compras fracionadas de diversos serviços com o objetivo de dispensar a realização de licitações e favorecer uma empresa específica. A decisão é em primeira instância e cabe recurso.

Ao todo, foram 96 contratações no valor de quase R$ 230 mil. Ainda segundo a denúncia, o principal responsável pela prática seria o ex-prefeito, que foi multado em mais de R$ 250 mil. Os três secretários foram multados em mais de R$ 131 mil cada um.

Além do pagamento de multa, o juiz determinou ainda a suspensão dos direitos políticos dos réus por cinco anos, além da perda do cargo público efetivo, decisão que afeta diretamente Eduardo de Camargo Neto, que atualmente é vereador na cidade.

Procurados pela reportagem, Ézio Spera e Eduardo de Camargo Neto disseram que não foram informados da decisão, mas pretendem recorrer. Flávio Moretoni e Ângela de Fátima Canassa das Neves afirmaram que já entraram em contato com sua defesa sobre a ação.

O presidente da Câmara de Vereadores de Assis, Alexandre Cachorrão, disse que até esta sexta-feira nenhum notificação chegou à Casa.

Continue lendo
Plenitude
WhatsAssp AssisNews
Silvana lopes
Solutudo 300
Publicidade

FaceNews

Mais lidas