Mato alto domina o local enquanto estado tenta retomar obras (Foto: Reprodução TV TEM)

Na sexta-feira, dia 22, a Justiça realizou uma audiência entre as partes no Ministério Público Federal em Assis, onde o representante do governo estadual de São Paulo utilizou o laudo da Cetesb para tentar a liberação da obra do presídio em Florínea.

Mesmo com o laudo em mãos o procurador não aceitou liberação, uma vez que o rio Paranapanema passa por dois estados e é de responsabilidade da união, não do estado.

Agora o governo estadual tem apenas uma chance de obter a licença para continuar com a construção da penitenciária que até o momento custou ao cofre público quase R$ 2 milhões.

A decisão da Justiça aponta que a construção do presídio sem a licença do Ibama só poderia ser feita se houvesse risco à segurança, à saúde e à economia pública, o que não acontece nesse caso. O advogado Edney Fernandes, que representa o grupo que entrou com a ação contra o estado, comemorou a decisão. “Eles querem construir a qualquer custo. O estado está dizendo que há superlotação, mas qual o prejuízo para nós, os seres humanos? A natureza ou a situação carcerária? Então, tem que fazer um presídio onde se realmente cabe e que eles procurem outro local”, afirmou.

Ministério Público rejeitou laudo da Cesteb sobre impactos ambientais (Foto: Jenis de Andrade)
Deixe um comentário

Esta é uma área exclusiva para membros da comunidade

Faça login para interagir ou crie agora gratuitamente sua conta e faça parte.

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.

VOCÊ PODE GOSTAR

Passageiros de ônibus são presos com pasta base de cocaína

Abordagem foi feita na SP-225, em Santa Cruz do Rio Pardo (SP).

Ladrão agride e arrasta mulher na rua durante tentativa de roubo

Os dois ladrões, que estavam armados, ainda não foram presos.