Inquérito apura morte de jovem que levou tiros de PM em Cândido Mota

Rapaz teria tentado atropelar um policial durante abordagem.
Testemunhas discordam da versão da polícia.

Rapaz teria tentado atropelar um policial durante abordagem

A Polícia Civil investiga a morte de um jovem de 20 anos em Cândido Mota (SP). Ele foi perseguido por uma viatura da Polícia Militar e atingido por vários tiros na madrugada de sábado (7). Segundo o boletim de ocorrência, o rapaz não tinha habilitação e o documento do carro estava vencido.

Nas imagens do circuito de segurança de um posto de combustíveis é possível ver quando o ajudante de serviços gerais passa em um carro azul e é seguido pela polícia. O veículo reduz a velocidade para uma pessoa atravessar e depois entra em uma avenida, seguido pela viatura.

Segundo fotos do inquérito, o carro usado pela vítima bateu contra um pilar durante a tentativa de fuga. “Ele perdeu o controle da direção e bateu nas ferragens. Eu disse para ele descer, mas ele preferiu ficar no carro. O veículo se afastou e saiu em “cavalinho de pau”. Foi quando a polícia apontou a arma para ele parar, mas ele acelerou e o policial entrou na frente para impedir que ele fugisse”, conta o adolescente que acompanhava o rapaz no momento da abordagem.

O carro parou depois de bater em um alambrado. O adolescente diz que o policial atirou várias vezes contra o rapaz e que foi forçado a contar uma outra versão da história no momento em que prestava depoimento à polícia. “Eles me mandaram contar que meu amigo tentou jogar o carro em cima deles, mas não foi o que aconteceu”, afirma o menor.

A Polícia Militar não quis gravar entrevista com a equipe de reportagem do TEM Notícias. Por telefone, o porta-voz da PM disse que o policial envolvido no caso foi afastado para fazer o acompanhamento psicológico, procedimento padrão nesses casos. Após o tratamento, ele pode ou não voltar ao serviço. A arma do policial foi recolhida e entregue à perícia, assim como o carro da vítima. Segundo as investigações, o jovem não estava armado.

A Polícia Civil de Cândido Mota registrou o boletim de ocorrência e irá investigar o caso. Testemunhas serão novamente ouvidas e a perícia tem um prazo de 30 dias para entregar um relatório completo.

Rapaz teria tentado atropelar um sargento da PM durante uma abordagem (Foto: Ramon Bastos)

#MAIS LIDAS DA SEMANA