Acidentes com cerol preocupam moradores em Paraguaçu Paulista

Em um ano, polícia realizou mais de 1,7 mil abordagens. Em menos de uma semana, duas pessoas ficaram feridas.

Menina ficou ferida no rosto após ser atingida por
linha com cerol (Foto: Reprodução/TV Tem)

Acidentes envolvendo pipas com cerol preocupam moradores de Paraguaçu Paulista. Neste ano, segundo a direção do departamento de segurança da cidade, a Guarda Civil Municipal e a Polícia Militar realizaram mais de 1,7 mil abordagens, dessas, pelo menos 266 foram de crianças e adolescentes que usavam cerol.

Com as crianças em férias é comum encontrar grupos de meninos soltando pipas nos locais mais impróprios e muitos usam o cerol. O produto é feito com vidro moído misturado na cola, passado na linha que é usado em “disputas” no céu. O objetivo é cortar a pipa um dos outros. Mas, no estado de São Paulo essa prática é crime e o infrator pode pagar multa, que varia de acordo com a situação, e até responder penalmente.

Em menos de uma semana, as linhas provocaram ferimentos em duas pessoas, entre elas uma criança. Vitória, de 2 anos, ajudava a mãe a lavar a calçada na frente da casa, na Vila Marin, quando a família da garota não percebeu que uma linha se soltou e enroscou na criança, provocando ferimentos.

Um dos ferimentos foi no canto do olho e por pouco a menina não perdeu a visão. Após o acidente, o pai da criança procurou a polícia e registrou um boletim de ocorrência. “Encontrei minha filha sangrando e com os olhos machucados. Não sabia o que fazer no momento porque a revolta é grande”, conta o pai da menina, Alex Sandro Camargo da Silva.

Segundo a família, a linha que feriu Vitória tinha cerol. Além da criança, a outra vítima foi um policial da Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam) que estava indo a Maracaí (SP) fazer uma fiscalização de rotina. De acordo com a polícia, ao passar em baixo de um pontilhão uma linha de pipa enroscou no pescoço do policial, que sofreu ferimentos leves.

Para evitar acidentes de pipas com cerol, o diretor do Departamento de Trânsito e Transporte orienta a população a acionar a polícia assim que encontrar o material cortante. “A Guarda Civil Municipal costuma orientar as pessoas, principalmente as crianças que são localizadas com as pipas, para que não façam uso de cerol. Além disso, caso encontrem alguém com material cortante, a Polícia Militar e o Conselho Tutelar devem ser acionadas”, ressalta Valter Fortuna.

Em um ano, polícia realizou mais de 1,7 mil abordagens (Foto: Reprodução/TV Tem)

#MAIS LIDAS DA SEMANA