Promafa expande fábrica de Palmital para produzir tapioca de batata doce

Com apoio da Investe SP, empresa investe R$ 15 milhões na compra de máquinas para fabricação de féculas e farinhas, que multiplicarão cinco vezes o faturamento com esses produtos.

A Promafa, empresa focada em derivados da mandioca e do milho waxy, expandiu suas operações em Palmital (SP) para iniciar a produção também de itens à base de batata doce. O projeto, atendido pela Investe São Paulo, a Agência de Promoção de Investimentos do Governo do Estado, envolveu investimento de R$ 15 milhões e a criação de 40 vagas de emprego.

Novas máquinas adquiridas vão permitir a preparação de féculas, farinhas e, principalmente, tapiocas feitas de batata-doce, alimento que tem se tornado cada vez mais popular por suas propriedades nutritivas. “A nova marca Yuk BR será voltada para um público que busca alimentação saudável, de qualidade superior”, explica Sebastião Silvio, Sócio Diretor da Promafa, lembrando que todos os produtos feitos pela empresa são sem glúten.

Os novos itens começam a ser produzidos e vendidos já em julho, em supermercados, lojas de produtos naturais, hortifrútis e empórios de todo o sudeste, sul e centro-oeste do Brasil. Dependendo da recepção do mercado, há inclusive a expectativa de uma nova expansão no futuro.

“A indústria de alimentos e bebidas no Estado de São Paulo tem se diversificado cada vez mais nos últimos anos, e temos observado a procura por produtos mais saudáveis e sustentáveis. A Promafa segue essa tendência, trazendo inovação e avanço tecnológico a partir de ingredientes genuinamente brasileiros”, afirma o diretor da Investe São Paulo, Sérgio Costa.

A investe SP tem ajudado a Promafa com informações estratégicas sobre incentivos fiscais e em relacionamentos fundamentais para a regulamentação da fábrica em Palmital.

Promafa expande fábrica de Palmital para produzir tapioca de batata doce

Sobre a Promafa

Fundada em 1969, em Palmital, a Promafa produz derivados de mandioca como: fécula, farinha de raspa, polvilho doce, polvilho azedo e tapioca hidratada. Em 2017, foi adquirida pela Biofaz Agroscience & Biotechnology, empresa brasileira de biotecnologia focada no fornecimento de produtos renováveis superiores e acessíveis para várias empresas, tais como alimentação, mineração, agricultura, plásticos biodegradáveis e outros. O objetivo era criar um novo cluster de amidos, derivados e outros produtos que pudessem oferecer soluções sustentáveis à partir da batata doce, da mandioca e do milho waxy.

#MAIS LIDAS DA SEMANA