Lixo em casa de ‘acumulador’ enche 15 caminhões no interior de SP

Imóvel de 800 metros quadrados tinha seus nove cômodos tomados por roupas, calçados, jornais, bolsas, material reciclado e produtos contaminados por urina de rato. Agudos vive epidemia de dengue e agentes acharam criadouros do mosquito.

O lixo retirado da casa de um acumular no Centro de Agudos (SP) encheu 15 caminhões em três dias, segundo a prefeitura. A limpeza no local foi autorizada pela Justiça. A cidade vive uma epidemia de dengue com 712 casos confirmados e outros 348 aguardam resultado de exames.

Após a Justiça autorizar que funcionários da Prefeitura de Agudos (SP) façam a limpeza de um casarão localizado no centro da cidade, foram retirados 15 caminhões de lixo do imóvel, onde o dono acumulou os objetos durante vários anos.

Livros, roupas, brinquedos e bolsas enchiam casa de acumulador em Agudos — Foto: Reprodução/TV TEM

Até esta quarta-feira (27), as equipes retiraram diversos produtos que poderiam se transformar em criadouros do mosquito Aedes aegypti e que foram levados ao aterro sanitário.

Denúncias de vizinhos levaram a prefeitura a entrar na Justiça no ano passado com pedido de permissão para os funcionários poderem entra no imóvel e fazer o descarte do que estava acumulado. O trabalho deve durar ainda até sexta-feira (1º).

A quadra inteira de uma das principais ruas de Agudos onde fica o casarão precisou ser interditada e os caminhões fizeram fila para receber o material. Para que o serviço não seja interrompido, um oficial de justiça acompanha o trabalho da equipe.

Ao entrar no imóvel, funcionários da prefeitura se depararam com toneladas de entulho contaminado por fezes e urina de ratos. As equipes precisam trabalhar protegidas por luvas e máscaras, por conta do mau cheiro.

Funcionário da prefeitura protegido com luvas e máscaras: material está todo contaminado pela urina de ratos — Foto: TV TEM/Reprodução

No total, nove cômodos do imóvel estão totalmente tomados por todo tipo de material. A equipe composta por 15 servidores retirou da casa roupas, calçados, jornais e muitos produtos sem serventia que ficaram acumulados por vários anos.

Além da sujeira acumulada em seu interior, o casarão que ocupa uma área de 800 metros quadrados também tem muito material espalhado no quintal, onde agentes identificaram muitos focos do mosquito da dengue.

João Batista Mainine, dono do imóvel, contestou o trabalho da Vigilância Sanitária e discutiu com os agentes. Questionado pela reportagem da TV TEM, ele não explicou porquê acumulava tanto material na casa.

Dono do casarão contesta a ação da prefeitura e não explica porquê acumulava tanto material — Foto: TV TEM/Reprodução
Dezenas de bolsas estavam penduradas na casa do acumulador em Agudos — Foto: Reprodução/TV TEM

#MAIS LIDAS DA SEMANA