Cândido Mota registra mais mortes do que nascimentos pelo segundo mês consecutivo

Desde o início do ano, foram 146 óbitos e 93 nascimentos.

Cândido Mota registra mais mortes do que nascimentos pelo segundo mês consecutivo

Pela primeira vez na história, o município de Cândido Mota (SP) registra mais óbitos do que nascimentos, e isso pelo segundo mês consecutivo. A queda na diferença entre os nascimentos e os óbitos vinha ocorrendo de forma gradual ao longo dos anos, mas se acentuou de forma contundente com a pandemia da Covid-19.

Em janeiro, os números se igualaram, foram 21 óbitos e 21 nascimentos, assim como em fevereiro, que contabilizou 25 óbitos e 25 nascimentos. Já em março, o município registrou 44 óbitos e 25 nascimentos, 19 óbitos a mais do. O fenômeno se repetiu em abril, que teve 56 óbitos e 23 nascimentos, registrando o mês com maior decréscimo populacional em sua história, sendo 33 mortes a mais.

Segundo a oficial do Cartório de Registro Civil de Cândido Mota, Letícia da Silva Ozawa, o número de mortes assusta, já que a média de óbitos no município era de 20 por mês. Desde o início do ano, foram 146 óbitos e 93 nascimentos.

Em 2020, o município havia registrado 289 óbitos e 305 nascimentos.

Estado
São Paulo, o Estado mais populoso do País, também registrou o mês com mais óbitos do que nascimentos. Com cerca de 44 milhões de habitantes, São Paulo teve até o dia 30 de abril, 44.087 óbitos e 41.407 nascimentos, uma diferença de 2.5 mil óbitos.

Os dados preliminares, uma vez que registros de abril ainda podem ser lançados, constam no Portal da Transparência do Registro Civil (http://transparencia.registrocivil.org.br/inicio), base de dados abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos praticados pelos Cartórios de Registro Civil do País, administrada pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), cruzados com os dados históricos do estudo Estatísticas do Registro Civil, promovido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base nos dados dos próprios cartórios brasileiros.

*De O Diário do Vale

#MAIS LIDAS DA SEMANA