Tamanduá-bandeira foi resgatado e levado para o Hospital Veterinário da Cidade da Criança — Foto: Polícia Ambiental
Tamanduá-bandeira foi resgatado e levado para o Hospital Veterinário da Cidade da Criança — Foto: Polícia Ambiental

Um tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) com sinais de atropelamento foi resgatado pela Polícia Militar Ambiental, em Dracena (SP), nesta quarta-feira (27). O animal, de espécie que tem risco de extinção, foi encaminhado para o Hospital Veterinário da Cidade da Criança de Presidente Prudente, onde recebe cuidados médicos.

O tamanduá-bandeira, adulto e com sinais de atropelamento, estava caído às margens da Rodovia General Euclides de Oliveira Figueiredo (SP-563), nas proximidades do Parque Estadual do Rio do Peixe.

Durante a captura foram realizados procedimentos de avaliação do estado de saúde do animal silvestre. Na sequência, com técnicas de contenção, a equipe policial providenciou a remoção até o Hospital Veterinário da Cidade da Criança, onde permanece na unidade aos cuidados de profissionais capacitados e será reintroduzido em seu habitat quando estiver em condições.

Tamanduá-bandeira foi resgatado e levado para o Hospital Veterinário da Cidade da Criança — Foto: Polícia Ambiental
Tamanduá-bandeira foi resgatado e levado para o Hospital Veterinário da Cidade da Criança — Foto: Polícia Ambiental

Em risco

O tamanduá-bandeira pode atingir 2,4 metros de comprimento, da ponta do focinho à ponta da cauda. Possui pelagem marrom-acinzentada, as patas dianteiras são brancas, seu peito e dorso são marcados por listras pretas e sua cauda é volumosa.

Em toda a América do Sul e Central os tamanduás-bandeira podem ser encontrados, embora sua população tenha diminuído consideravelmente na América Central.

Para prosperarem, eles precisam se movimentar por grandes áreas com florestas. Os tamanduás-bandeira geralmente são encontrados em florestas tropicais e secas, savanas e pastagens abertas, onde há abundância de formigas, que são fundamentais para sua alimentação.

A espécie usa suas garras afiadas para fazer uma abertura no formigueiro e colocar seu longo focinho, sua saliva pegajosa e sua língua eficiente para trabalhar. Mas ele precisa comer rapidamente, pois as formigas revidam com picadas dolorosas. Então, o tamanduá pode passar apenas um minuto se alimentando em cada formigueiro. Ele movimenta sua língua até 150 vezes por minuto.

Tamanduás-bandeira nunca destroem o formigueiro, preferindo retornar e se alimentar novamente no futuro.

Esses animais não contam com a visão — que é fraca — para encontrar sua fonte de alimento, mas sim com o olfato, que é 40 vezes mais poderoso que o dos humanos.

São geralmente animais solitários e as fêmeas têm um único filhote uma vez ao ano, que às vezes pode ser visto agarrado nas costas de sua mãe. Os filhotes deixam a mãe depois de dois anos, quando são considerados totalmente adultos.

Segundo o Decreto nº 63.853/18 em seu Anexo I, o tamanduá-bandeira está ameaçado de extinção na situação de vulnerável, ou seja, espécie que apresenta alto risco de extinção a médio prazo.

Tamanduá-bandeira foi resgatado e levado para o Hospital Veterinário da Cidade da Criança — Foto: Polícia Ambiental
Tamanduá-bandeira foi resgatado e levado para o Hospital Veterinário da Cidade da Criança — Foto: Polícia Ambiental

Deixe um comentário

Esta é uma área exclusiva para membros da comunidade

Faça login para interagir ou crie agora gratuitamente sua conta e faça parte.

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.

VOCÊ PODE GOSTAR

Mulher morre em acidente com três carros na SP-294

Um terceiro automóvel também acabou se envolvendo no acidente.

Motociclista morre após bater em traseira de carreta

Vítima não resistiu e morreu no local do acidente.

Programa ‘Criança Feliz’ atende 250 famílias em Cândido Mota

O programa consiste em ações, visitas domiciliares e a articulação com a rede.