51% dos brasileiros está acima do peso, diz pesquisa

Em 2006, quando o levantamento começou a ser feito, eram 43%. A obesidade também aumentou no período de 11% para 17%.

Mais da metade dos brasileiros está acima do peso, revela pesquisa do Ministério da Saúde. O trabalho, feito em todas as capitais do País e no Distrito Federal, mostra que 51% da população tem sobrepeso. Em 2006, quando o levantamento começou a ser feito, eram 43%. A obesidade também aumentou no período de 11% para 17%. Ao anunciar os números, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou que a adoção de hábitos mais saudáveis é tarefa de todos. “A hora é agora. Caso algo não seja feito, em dez anos podemos ter números semelhantes aos dos Estados Unidos.”

Apesar do crescimento registrado na pesquisa, Padilha disse não haver intenção do governo de mudar a estratégia para prevenção e combate ao excesso de peso da população, um problema que está relacionado ao aparecimento de doenças como diabetes, hipertensão e câncer. A ideia, completou, é reforçar as medidas que já vêm sendo adotadas: a construção de unidades do Academia de Saúde, centros com infraestrutura e profissionais para orientar a população a práticas de atividade física, e o Saúde na Escola, com informações sobre obesidade para estudantes.

Batizada de Vigitel, a pesquisa é feita por meio de entrevistas telefônicas, com maiores de 18 anos. O trabalho mostra outro dado preocupante: o alto porcentual de pessoas que consomem em excesso bebida alcoólica. O abuso é maior entre as pessoas com maior escolaridade: 22% dos que têm mais de 12 anos de estudo disseram ter consumido de forma excessiva bebidas no mês anterior à entrevista. Entre aqueles com 9 a 11 anos, a média foi de 19,4% e entre os com menos de oito anos, 15%. “A população mais vulnerável é a masculina: da parcela com maior escolaridade, 31,9% disseram beber de forma excessiva”, afirmou o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa.

Fonte: UOL

Dr. Fabiano Morelli

O Dr. Fabiano Morelli, renomado Endocrinologista assisense comentou: “A obesidade pode ser considerada nos dias de hoje um problema de saúde publica. Isso deve-se principalmente ao estilo de vida da “era moderna”, o sedentarismo, a falta de uma atividade física continua, o hábito alimentar desregulado e em alguns casos a genética, são os principais causadores deste mal. A obesidade é preocupante, não apenas pelo aspecto da aparência, mas é um dos principais causadores de doenças, como as cardiovasculares, diabetes tipo 2, hipertensão arterial, colesterol, além de doenças ortopédicas relacionadas ao excesso de peso sobre os ossos.

Os fatores que levam a obesidade podem ser separados em dois grupos distintos:

1. Obesidade exógena
É resultante de fatores externos, principalmente com o desequilíbrio do gasto calórico com a ingestão alimentar e sedentarismo.

2. Obesidade endógena
O ganho de peso é resultado de fatores de desequilíbrio hormonal, provenientes de alterações do metabolismo tiroedeano, gonodal, hipotálomo-hipofisário, de tumores e síndromes genéticas.

Causas e consequências:
Para entender por que sobrepeso e obesidade estão avançando no mundo de hoje é necessário fazer uma viagem ao passado, buscando em teorias antropológicas as causas da obesidade.

Nossos ancestrais tinham grandes dificuldades para conseguir alimentos e mais ainda para estocá-los. Por isso, a natureza encarregou-se de dotar o corpo humano de um mecanismo para armazenar energia. Esse mecanismo tinha a função de fazer com que o homem, por meio da fome, pudesse ingerir uma grande quantidade de calorias. E ao fazer isso, seu organismo transformaria o excesso em gordura, que seriam armazenadas para os períodos de carência de alimentos.

Porem, nossos antepassados comiam principalmente sementes, raízes e frutas. Foi para esse padrão alimentar, que a genética preparou o organismo herdado por nós, e para isso precisavam se deslocar atrás destes alimentos. Atualmente ocorre o contrário, onde as atividades naturais do dia a dia foram reduzidas, as pessoas não andam a pé, e a alimentação está cada vez mais calórica com a ingestão de alimentos industrializados.

Fatores como o sedentarismo, a falta de atividade física regular e a alimentação de forma desregulada estão entre as principais causas da obesidade, porém a genética também assume um grande espaço. A probabilidade de uma criança ou adolescente filho de pais obesos se tornar um adulto obeso é consideravelmente grande. Porem fatores sócio-culturais tem maior importância que os fatores genéticos.

Muitos são os malefícios da obesidade. Podemos destacar os fatores psicológicos, pois em muitos casos a aparência gera na pessoa uma revolta. O fator nutricional, sendo que o organismo não está preparado para receber aquela quantidade de gordura. E principalmente o fator fisiológico, sendo a saúde, provavelmente o fator que mais é prejudicado.

Doenças como as cardiovasculares, diabetes tipo 2, hipertensão arterial, colesterol alterado, problemas ortopédicos devido ao peso excessivo sobre os ossos, e até mesmo a própria limitação articular e de movimentação para a realização de algumas atividades diárias, estão entre as principais consequências da obesidade.

A obesidade é multifatorial. Seu tratamento não pode ser realizado através de procedimentos isolados, mas sim deve ser o resultado de uma combinação de ações que o indivíduo obeso deverá se submeter e seguir rigorosamente. Dentre as principais destacamos mudanças comportamentais, principalmente a prática regular de exercícios físicos e controle alimentar.”

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA