Atriz trans conta sobre como conseguiu superar preconceito: ‘Amor dos meus pais me ajudou’

Glamour Garcia, de Marília (SP), integra elenco da novela A Dona do Pedaço, da Rede Globo.

“Uma adolescente trans sem o apoio familiar é muito difícil prosperar. Eu só consegui ser o que eu sou, porque tive o amor dos meus pais, que me ajudaram e sonharam junto comigo”. A declaração é da atriz trans Glamour Garcia, de 30 anos, que resume como conseguiu driblar o preconceito.

A vontade de ser atriz foi o que fez Glamour sair de Marília, interior de São Paulo, e ir para São Paulo e Rio de Janeiro. A busca pelo sonho se tornou realidade e, atualmente, ela interpreta a personagem “Britney” na novela A Dona do Pedaço, exibida durante o horário nobre.

No Dia do Orgulho LGBT, comemorado nesta sexta-feira (28), a atriz conversou com o G1 sobre os desafios de uma pessoa trans na teledramaturgia.

“Acho essencial esse tipo de papel dentro de uma novela em um horário tão importante. A arte está além de gêneros. Fazer uma personagem trans para mim é muito gratificante. Diariamente, mulheres transexuais são expostas à violência e estou na mídia para ser mais uma voz. A arte serve para ser algo construtivo na sociedade”, argumenta.

De acordo com Glamour, muito mais do que apenas provocar uma discussão, a televisão e o cinema tem um poder de recorte social. Para ela, ter atores e atrizes trans é uma maneira de empoderar a comunidade LGBT no seu dia a dia e que possam ter seus direitos respeitados.

“A arte tem um papel construtivo dentro de uma sociedade. Esses personagens trazem dois recortes importantes que é da ficção e outro da representatividade”, contextualiza.

Ainda na adolescência, Glamour conseguiu formar um grupo de teatro na escola e decidiu que seguiria essa carreira — Foto: Arquivo Pessoal 
Ainda na adolescência, Glamour conseguiu formar um grupo de teatro na escola e decidiu que seguiria essa carreira — Foto: Arquivo Pessoal

Dificuldades
A atriz conta que a parte mais difícil de ser trans sempre foi o medo em relação à agressão e violência física.

Quanto ao preconceito, Glamour afirma que foi vítima durante a adolescência, mas que sempre soube driblar, tanto que prefere nem relatar.

“Eu sou de uma cidade do interior e a violência era muito forte. A parte mais difícil foi o medo. Sou de uma geração que não tinha gente trans pelas ruas e pela cidade. Toda essa revolução da comunidade trans que vemos hoje começou a surgir a partir de 2010″, diz.

Ela ainda ressalta a importância da comemoração do Dia do Orgulho LGBT.

“Como o próprio nome diz, é uma data não para frisar as desigualdades, mas para pontuar o direito à cidadania de todos e mostrar o quanto nós temos orgulho de sermos quem somos na sociedade. O mote dessa comemoração será sempre o orgulho e não o preconceito”, destaca.

Glamour começou a carreira no teatro e se profissionalizou com atriz há 10 anos — Foto: Arquivo Pessoal 
Glamour começou a carreira no teatro e se profissionalizou com atriz há 10 anos — Foto: Arquivo Pessoal

O sonho de ser atriz
A vontade da Glamour em se tornar atriz surgiu ainda na infância. O interesse pela área artística foi aumentando ao longo dos anos, mas foi no início da adolescência que decidiu que essa seria realmente sua carreira.

Com a ajuda de uma professora, ela formou um grupo de teatro na escola e nunca mais abandonou a interpretação.

“Já faz 10 anos que sou atriz profissional, estudei teatro, literatura, danças contemporâneas, cinema, performance”.

Glamour ressalta que ser atriz no interior não é fácil, pois falta espaço para o artista. Por isso, muitos buscam grandes centros para mostrar o trabalho, apesar de reconhecer que agora o cenário para artistas do interior está um pouco melhor.

“Ninguém chega numa novela da Globo do nada. Tive que estudar muito, trabalhar em várias peças, foram anos e anos de trabalho para hoje ser reconhecida por ele”.

Integrar o elenco de uma novela em uma emissora de rede nacional foi um divisor de águas na carreira dela, tanto que se recorda com bastante emoção do dia que recebeu o telefonema que tinha passado no teste de elenco.

“Eu estava na garagem da casa da minha mãe em Marília, quando me ligaram. Eu nunca vou me esquecer. Fiquei muito emocionada. Na hora não tive nem reação. Chorava, chorava, foi incrível, nunca vou me esquecer”.

#MAIS LIDAS DA SEMANA