Fique conectado

Entretenimento

Morre o ator e diretor Jorge Fernando, aos 64 anos

Na Globo desde 1978, ele estreou atuando no seriado ‘Ciranda, Cirandinha’. Como diretor, esteve à frente de 34 produções. Corpo será velado na terça-feira (29).

Publicado em

1.182

Jorge Fernando no lançamento da novela 'Êta Mundo Bom', de 2016 — Foto: Globo / Paulo Belote
Jorge Fernando no lançamento da novela 'Êta Mundo Bom', de 2016 — Foto: Globo / Paulo Belote

Morreu neste domingo (27), aos 64 anos, o ator e diretor Jorge Fernando. Ele estava internado no Hospital CopaStar, em Copacabana, Zona Sul do Rio. Jorge Fernando era diretor da TV Globo e seu último trabalho como diretor e ator aconteceu este ano, na novela das 19h “Verão 90”. Foi o retorno dele após dois anos afastado da TV, tempo em que se recuperou de um AVC.

Em nota, o Hospital Copa Star informou que ele morreu após dar entrada no fim da tarde deste domingo, devido a uma parada cardíaca “em decorrência de uma dissecção de aorta completa”.

O corpo de Jorge Fernando será velado na terça-feira (29), no Cemitério do Caju, na região Central do Rio. O velório será aberto ao público das 8h às 10h. Depois ficará restrito à família e amigos mais próximos.

Na Globo, Jorge Fernando dirigiu vários sucessos, como as novelas “Rainha da Sucata” e “Alma Gêmea”.

Ator, diretor, escritor e humorista, Jorge Fernando foi um artista completo que ajudou a revolucionar a forma de se fazer televisão no Brasil. Seu primeiro contato com a arte de atuar foi ainda adolescente na escola onde estudava no Méier, Zona Norte do Rio.

Na TV, ele estreou como ator em 1978, no seriado “Ciranda, Cirandinha”. Na década seguinte, Jorge Fernando trabalhou em várias produções, mas foi do outro lado das câmeras, como diretor, que ele encontrou sua verdadeira paixão.

Desde então, ele dirigiu 34 novelas, minisséries e seriados. Sua estreia como diretor foi em “Coração Alado”, de Janete Clair, em 1980.

Um dos seus sucessos mais marcantes foi “Guerra dos Sexos”, que tinha como protagonistas Fernanda Montenegro e Paulo Autran. Por seu trabalho na trama das 19h, ele foi premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte como o melhor diretor, em 1983, ao lado de Guel Arraes.

É de “Guerra dos Sexos” a cena clássica do café da manhã, uma das mais importantes da teledramaturgia brasileira. Quase 30 anos, ele teve a chance de fazer tudo de novo, quando dirigiu o remake da novela, em 2012.

Na década de 1990, muitas novelas dirigidas por ele marcaram uma geração. Como “Rainha da Sucata”, “Vamp”, “Deus nos Acuda” e “A Próxima Vítima”, que fez o Brasil parar no último capítulo, à espera da revelação de quem era o grande assassino.

Além das novelas, Jorge Fernando também fez história no humor. Com “Sai de Baixo”, ele levou o teatro de volta à TV e obrigou muita gente a dormir mais tarde nos domingos.

Um de seus sucessos mais recentes foi “Alma Gêmea”, em 2005. Foi uma das novelas das 18h com melhor média de audiência da história da Globo.

Depois de uma longa temporada com diretor, Jorge Fernando voltou a atuar em 2011, no seriado “Macho Man”. Da TV para o teatro, dirigiu Cláudia Raia no musical “Não Fuja da Raia”.

Mas foi no espetáculo “Boom” que ele fez o que sabia de melhor: cantou, dançou e deu vida a vários personagens.

Foi o ensaio geral para a peça autobiográfica, “Salve Jorge”. No espetáculo, Jorge Fernando reuniu histórias que marcaram sua trajetória profissional. TV, cinema e teatro juntos, recontando com muito humor um pouco da história de um dos maiores nomes da cultura brasileira

Entretenimento

Morre o cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão, aos 83 anos

Morte confirmada pela filha de Mojica, a atriz Liz Marins, nesta quarta-feira (19).

Publicado em

Do G1
Zé do Caixão no filme 'Encarnação do Demônio', de 2008 — Foto: Divulgação
Zé do Caixão no filme 'Encarnação do Demônio', de 2008 — Foto: Divulgação

O ator, diretor e roteirista José Mojica Marins, conhecido pelo personagem Zé do Caixão, morreu aos 83 anos, vítima de uma broncopneumonia.

A morte foi confirmada pela filha de Mojica, a atriz Liz Marins, nesta quarta-feira (19). Ele morreu às 15h46, no hospital Sancta Maggiore, em São Paulo. O cineasta estava internado desde o dia 28 de janeiro para tratar de uma broncopneumonia.

O velório deve acontecer no Museu da Imagem e do Som (MIS). Mojica deixa sete filhos.

Mestre do terror brasileiro

Filho dos artistas circenses Antonio André e Carmen Marins, José Mojica Marins nasceu no dia 13 de março de 1936, em São Paulo.

Mojica dirigiu 40 produções e atuou em mais de 50 filmes. Seu interesse pelo cinema de terror escatológico começou nos anos 1950, mas foi em 1964, com o filme “À meia-noite levarei sua alma”, que ganhou o apelido de Zé do Caixão.

Seu personagem mais famoso, o agente funerário sádico com roupas pretas, cartola, capa e unhas longas, ainda aparece em “Esta noite encarnarei no teu cadáver” (1967), “O estranho mundo de Zé do Caixão” (1968) e “Encarnação do demônio” (2008).

Mesmo conhecido como o mestre do terror no cinema brasileiro, Mojica trabalhou com outros gêneros, como aventura, faroeste e pornochanchada. Ele também influenciou o movimento do cinema marginal nos anos 1960.

Quando tinha 17 anos, fundou a Companhia Cinematográfica Atlas, que produziu filmes amadores. O primeiro longa-metragem foi “A sina do aventureiro”, de 1958.

Em 1963, escreveu a história de “Meu destino em tuas mãos” e procurou o cineasta Ozualdo Candeias para fazer o roteiro, mas o colaborador não foi creditado.

Zé do Caixão em 'Esta noite encarnarei no teu cadáver', de 1967 — Foto: Divulgação

Zé do Caixão em ‘Esta noite encarnarei no teu cadáver’, de 1967 — Foto: Divulgação

O personagem Zé do Caixão, conforme Mojica contou em várias entrevistas, surgiu para ele durante um pesadelo, em que um homem de capa preta o arrastava para um túmulo.

A primeira aparição do Zé do Caixão no cinema foi em “À meia-noite levarei sua alma”, de 1964. Nos Estados Unidos, ele ficou conhecido como “Coffin Joe”.

Segundo o site oficial do personagem, Josefel Zanatas era o nome verdadeiro de Zé do Caixão. O coveiro era filho de um casal dono de uma rede de agências funerárias.

Por isso, o pequeno Zé do Caixão cresceu como uma criança muito sozinha e discriminada pelos colegas por causa da profissão dos pais.

A biografia ainda diz que Zé do Caixão é um “homem sem crenças, não acredita em Deus nem no Diabo, só acredita nele mesmo, acha que é o único que pode fazer justiça”.

O cineasta e ator José Mojica Marins, conhecido como Zé do Caixão em fotografia feita em 2001 — Foto: Agliberto Lima/Estadão Conteúdo

O cineasta e ator José Mojica Marins, conhecido como Zé do Caixão em fotografia feita em 2001 — Foto: Agliberto Lima/Estadão Conteúdo

Com o sucesso, o personagem começou a ser confundido com o seu próprio autor. No anos 1990, o Zé do Caixão apresentou o “Cine Trash”, na Rede Bandeirantes.

Ele também comandou um programa de entrevistas no Canal Brasil, “O estranho mundo do Zé do Caixão”, que estreou em 2008 e teve sete temporadas.

Em 2014, José Mojica sofreu um infarto e passou por uma angioplastia e colocou três stents (bubos de metal para melhorar o fluxo sanguíneo da artéria) no coração.

Ele voltou a ser internado no mesmo ano em razão de uma piora nas funções renais. Desde então, ele se manteve mais afastado da mídia.

Continue lendo

Entretenimento

Evento solidário em Assis terá tributo a Andrea Bocelli

La Storia in Concert – Um Tributo a Andrea Bocelli será apresentado no dia 7 de março.

Publicado em

Assessoria
(Foto: Agência O Globo)
(Foto: Agência O Globo)

Será no dia 7 de março, sábado, o espetáculo La Storia in Concert – Um Tributo a Andrea Bocelli Duo desembarca em Assis para uma apresentação inesquecível!

O show terá músicas como “Con te partiro”, “Sole mio”, “Vivo per lei”, “The Prayer”, “Nessun dorma”, “Canto della terra”, “Melodramma”, “O mio babbino caro”, “Brindisi” de La Traviata, dentre muitas outras, fazem parte deste belíssimo espetáculo.

As músicas serão interpretadas pelo tenor Germano Brissac e pela soprano Fabiola Cariatti. Eles estarão acompanhados pelo pelos músicos da Orquestra de Santos: Mario Tirolli no piano, Ulisses Bamba no violino, Rossana Nicolai no cello e Anderson KB na bateria.

Os ingressos para o La Storia in Concert – Um Tributo a Andrea Bocelli já estão à venda e podem ser adquiridos pela internet ou nos pontos de venda fixos.

Os valores são R$60,00 a inteira, R$30,00 a meia entrada e R$30,00 os ingressos solidários mediante a entrega de 1 quilo de alimento não perecível. O público deve entregar no dia do evento e as doações vão para o Fundo Social de Solidariedade de Assis. Para garantir o ingresso acesse; acesse o site; ou no ponto fixo na loja Lilica & Tigor, na Rua Floriano Peixoto, 375, no Centro de Assis.

No dia da apresentação também haverá venda de ingressos na bilheteria do Teatro Municipal de Assis a partir das 14h. O espetáculo será apresentado a partir das 20h30 e a classificação indicativa é livre.

Continue lendo

Entretenimento

Cantor sertanejo Juliano Cezar morre após sofrer um infarto em pleno show

Juliano Cezar chegou a socorrido em um posto médico perto do local do evento. Porém, o artista não resistiu.

Publicado em

Do Istoé
Juliano Cezar
Divulgação

Juliano Cezar teve um infarto fulminante, no momento que cantava em uma festa da cidade de Uniflor PR, realizada pelo município hoje de madrugada.

A apresentação do “Cowboy Vagabundo” acontecia em Uniflor, no Paraná. No vídeo gravado durante o show, o cantor aparece caindo atrás do sanfoneiro da banda.

Segundo informações, o cantor de 59 anos, sofreu uma parada cardíaca e morreu.

O cantor foi levado para hospital da cidade e foram feitas várias tentativas de reanimação, porém sem sucesso.

Uma fã registrou o momento em que o cantor passa mal, veja abaixo.

Segundo a página oficial do cantor no Instagram:

A notícia mais triste que poderíamos comunicar.
Com profundo pesar, a Explosion Music informa o falecimento cantor Juliano Cezar.

Juliano Cezar teve uma parada cardiorrespiratória enquanto se apresentava em um show em Uniflor, interior do Paraná.

O velório será realizado na cidade natal do cantor – Passos /MG. Quanto aos horários de velório e sepultamento, serão repassados assim que obtidos.

Maiores informações: Fabiana Villela / Assessoria Juliano Cezar / Explosion Music

Abaixo o post do perfil oficial:

Continue lendo
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas