Conheça Suellen Santos, a cantora glamourosa do sertanejo

Morena já emprestou sua casa para Michel Teló e defende espaço da mulher na música

Suellen Santos aparece como o novo nome do sertanejo e defende o poder das mulheres (Foto: Daia Oliver/R7)

Suellen Santos bem que tentou, mas não conseguiu. A morena de 26 anos se formou em Administração, mas encontrou sua felicidade na música. Aos 15 anos, cantava no hotel fazenda de um amigo de seu pai em Paraty apenas por diversão. E a brincadeira virou trabalho aos 21, quando decidiu que seu destino estava nos palcos.

Filha de empresários que saíram da Bahia para brilhar em São Paulo, Suellen Santos teve uma infância tranquila, se dividindo entre a capital paulista e a cidade de Ibiúna, no interior do estado. Era nos finais de semana que a morena soltava a voz, a exemplo de seu pai, que tocava modas antigas na viola com os amigos. Influenciada pelo lado sertanejo, ela se encontrou neste estilo musical.

No começo, a família era reticente quanto ao sonho de Suellen, principalmente por não conhecer ninguém no meio. A virada chegou depois que a morena caiu nas graças de uma empresária de Tocantins e foi ali que tudo aconteceu.

Assessorada por gente de prestígio no mercado, a cantora tem contato com figurões do sertanejo, como Michel Teló. O dono do hit Ai Se Eu Te Pego, inclusive, pegou a casa de Suellen emprestada para gravar cenas de seu novo clipe.

Em conversa com o R7, ela contou que a experiência com Teló mexeu com sua vaidade.

— Achei muito legal gravarem o clipe aqui em casa. É quase vaidade, tietagem mesmo, sabe? Dá um orgulho. . E o Teló é uma pessoa muito bacana, bem simpática. Gente como a gente!

Para Suellen, o contato com Michel Teló foi mais profundo do que apenas a gravação de seu clipe. Estar frente a frente com um sertanejo de sucesso mostrou à morena que é possível realizar seus sonhos.

— A gente, que sonha em ser músico, tem medo de criar grandes expectativas e depois se decepcionar. O que aprendi com ele é que se eu trabalhar muito, me dedicar e lutar bastante, eu consigo chegar lá. É possível!

Sucesso no Panamá
Apesar de não ser conhecida no Brasil, Suellen já tem fama internacional. Com a ajuda de uma amiga de sua mãe, a música Pegada Violenta chegou às rádios do Panamá. O sucesso foi imediato e logo surgiram convites para a brasileira visitar o país. Não deu outra. Na semana passada, Suellen era uma das atrações do programa Tu Mañana, do Canal 13 Panamá .

— Fiquei surpresa com a repercussão, não foi nada premeditado. Lá, eles adoram Ai Se Eu Te Pego e Balada Boa, é um mercado que está aberto para a nossa música. A resposta do público foi tão boa que já recebi convite para participar do Teleton Panamá do ano que vem.

Em janeiro, os panamenses querem ainda que Suellen Santos faça uma mini-turnê pelo país, com shows organizados pelo governo. Apesar de estar feliz com o sucesso no Panamá, a cantora não pensa em investir na carreira internacional tão cedo.

— Primeiro, quero ser famosa no Brasil, no meu País. Quando eu conquistar o público daqui, talvez eu possa buscar a carreira internacional.

Suellen Santos faz sucesso nas rádios do Panamá e participará do Teleton do país no ano que vem – (Daia Oliver/R7)

Espaço da mulher no sertanejo
Admiradora de Paula Fernandes, Suellen Santos evita comparações com a musa do sertanejo. A morena aponta diferenças no estilo das duas. Enquanto Paulinha é casada com o romantismo, a nova aposta não tem medo de inovar em suas canções e colocar batidas de eletrônico em suas faixas.

— Meu sonho é dividir o palco com Paula Fernandes. Admiro muito o trabalho dela, é uma grande artista, mas temos estilos diferentes. A Paula fica presa às músicas românticas, até porque este é o público alvo dela. Eu já sou mais eclética. Claro, também falo de amor, mas uso viola e batidas de eletrônico, como na música Pegada Violenta.

Com muitos homens fazendo sucesso no mundo sertanejo, Suellen acredita que há um buraco no mercado com a falta de mulheres. Para ela, a voz feminina perdeu espaço no cenário musical.

— Acho que tem certa discriminação com as mulheres no sertanejo. Criou-se uma barreira depois da Sula e da Roberta Miranda e não surgiu nenhum nome poderoso desde então. O lado bom disso é que tem um mercado carente do timbre feminino, que ainda pode ser explorado.

Sertanejo de raiz x sertanejo universitário
Fã da música sertaneja, Suellen Santos não encara a geração universitária como um retrocesso. Para ela, músicas que falam sobre baladas e dinheiro são o retrato da nova geração.

— O sertanejo de raiz não pode ser esquecido, mas não podemos negar que houve uma evolução. Antes, com Tião e Carrero, por exemplo, eles falavam da saudade que sentiam da sua terra. Hoje em dia não tem mais isso, até porque não é a realidade do jovem. Atualmente, nascer no interior não significa necessariamente ter lidado com a terra, nem nada disso. Os jovens falam sobre a rotina deles, que é balada, mulher e dinheiro. Não posso cantar algo que não é a minha realidade, a minha verdade.

Casada com a carreira
Linda e morena, Suellen Santos está casada com a carreira. Apesar de odiar a expressão, a cantora jura que não é mentira quando diz que não tem tempo para namorar. A rotina nada convencional da vida nas estradas prejudica a aproximação dos homens.

— Eu achava uma besteira quando via artistas falando que estava casado com a carreira. Porém, eu vejo que é a pura verdade. Na teoria, os homens acham lindo que você seja cantora, mas na prática, é bem diferente. Não tenho rotina, é complicado. Mas a gente sempre acredita no amor. .

Assista ao vídeoclipe oficial da música A Favorita.

#MAIS LIDAS DA SEMANA