‘Baby Shark’ é avaliado pelo Palavra Cantada: Como 2 acordes ganharam 2 bilhões de views?

Com repetições e dança engraçada, música sobre família de tubarões chegou ao 32º lugar do Billboard Hot 100 e bombou no YouTube.

Duas crianças, uma animação bem produzida, uma família tubarão e um ritmo chiclete entraram na lista das músicas mais ouvidas do mundo e alcançaram 2,3 bilhões de visualizações no YouTube.

Trata-se do sucesso infantil “Baby Shark”, gravado em 2016, mas que ganhou mais fama em janeiro deste ano.

Cantando para crianças desde 1994, Sandra Peres e Paulo Tatit, do Palavra Cantada, analisaram a música a convite do G1.

A fórmula deste pop chiclete mirim é simples:

  • Repetição
  • Brincadeira com sons
  • Repetição de sílabas
  • Ritmo de fácil memorização
  • Dancinha engraçada
  • Crianças fofas

É quase como qualquer outra música infantil, mas com números impressionantes: ela estreou na 32ª posição da Billboard Hot 100, entre os maiores hits do pop e do rap.Já foi adaptada mais de 100 vezes, para diversos estilos e idiomas (incluindo português); ganhou o desafio #babysharkchallenge; e conquistou – ou enlouqueceu – pessoas de todas as idades.

Por que ‘Baby shark’ é tão hipnótica?

Cena de ‘Baby Shark’ — Foto: Reprodução

“É meio irresistível ver criança se expressando. Tem essa coisa graciosa no jeito de falar, o jeito de dançar”, explica o músico. A dança inocente com os bracinhos ajuda a criar o fenômeno.

Ela não muda a melodia nem o ciclo rítmico, explicam os músicos. “Baby Shark” tem os mesmos acordes sempre: sol e lá menor.

A simplicidade alavanca o sucesso. A comunicação simples facilita a compreensão e a reprodução, colando de maneira natural na cabeça.

A incorporação dos personagens conforme a alteração de tonalidade da voz dá dinamismo e cria uma história. Isso torna a canção mais atrativa do que se cantada em um único tom.

E, claro, a repetição, rainha das músicas chicletes. “A criança aprende uma vez e só vai trocando os nomes. Acaba grudando”, avalia Sandra.

“Atirei o Pau no gato” já usava esses recursos. “Por que as crianças gostam? Não é porque vão matar os gatos, mas porque podem repetir as últimas sílabas e é um desafio”, explica Sandra.

Como criar um hit infantil?

O duo Palavra Cantada faz carnaval antecipado para crianças no Rio e em SP — Foto: Daryan Dormelles/Divulgação

Para criar uma música chiclete é preciso não pensar muito no fator grudento dela, garante o duo: “Nós não compomos pensando nisso, mas têm coisas que sabemos que funcionam”.

1,2, 3, 4… Reparou como rola esse tipo de progressão nos hits das crianças? “Como elas vão acertar a contagem, gera encantamento e expectativa”, diz Sandra. Jogos de palavras e rimas também funcionam.

“É legal sempre ter um elemento da fala que a criança e a família vão levar para a casa. Ela pode não lembrar nada da música, mas vai se lembrar desse pedacinho e levá-la como companhia.”

Além da letra, arranjos dinâmicos e instrumentos variados despertam a atenção. Misturar instrumentos mais “alegres” como pandeiros com a “tristeza” de violinos e oboés educam o ouvido da criança, dizem eles.

#MAIS LIDAS DA SEMANA