Fique conectado

Esporte

Brasil supera Estados Unidos e fatura o ouro por equipes na ginástica masculina do Pan

Depois de dar show no primeiro grupo, Zanetti, Nory, Caio, Chico e Luis veem da arquibancada americanos flertarem com a liderança, mas conquistam o título dos Jogos de Lima.

Publicado em

1.085

Ricardo Bufolin / CBG

Da arquibancada, a equipe masculina do Brasil acompanhava a apresentação dos Estados Unidos na noite deste domingo. Arthur Zanetti, Arthur Nory, Caio Souza, Francisco Barretto e Luis Guilherme Porto sabiam que tinham feito um ótimo trabalho mais cedo, na primeira subdivisão dos Jogos Pan-Americanos de Lima. Era questão de tempo para conhecer a cor da medalha do grupo. E ela foi dourada! Nem precisou secar os americanos, que ficaram com a prata. O Brasil faturou a medalha de ouro por equipes na ginástica artística e mais 12 vagas nas finais individuais.

O Brasil mostrou mais uma vez que está consolidado entre as grandes equipes no masculino. Os 250,450 pontos deste domingo colocariam o país na quarta posição da classificatória do Mundial do ano passado, à frente inclusive da equipe principal dos Estados Unidos. No Pan, os americanos foram com um time B, que apostou em séries mais simples, porém bem executadas. Quase deu certo, mas os 249,400 não foram o suficiente para barrar os brasileiros. O Canadá levou o bronze, com 246,725.

– Eu estava fazendo contas de todo jeito. No final achava que o Brasil já tinha ganhado, mas ainda faltava uma nota de um americano. Eu só queria ganhar (risos). O time do Brasil foi maravilhoso, fez seu papel. Era um objetivo nosso bater os 250 pontos. A equipe fez por merecer. Os 15 pontos (nas argolas) foram bons. Uma série para um ponto só de desconto hoje em dia é muito boa. É trabalhar e se possível melhorar essa nota na final – disse Zanetti, que tirou nas argolas a maior nota entre todos os aparelhos na competição.

Notas do Brasil no Pan

Ginasta Solo Cavalo Argolas Salto Paralelas Barra fixa Total
Arthur Nory 13,750 12,250 13,250 14,250 14,300 14,400 82,200
Caio Souza 12,700* 11,800* 13,800 14,550 14,850 13,850 81,900
Luis Porto 13,450 12,200 13,000* 14,550 13,050* 11,500* 78,100
Arthur Zanetti 13,650 15,000 14,200* 42,850
Francisco Barretto 13,950 14,000 14,050 42,000
Brasil 40,850 (2º) 38,750 (3º) 42,050 (1º) 43,350 (1º) 43,150 (1º) 42,300 (1º) 250,450 (1º)

* Notas descartadas no somatório da equipe

Zanetti e Chico estavam na equipe do Brasil no Pan de Guadalajara, em 2011, quando o país conseguiu seu primeiro título da competição. Eles agora são bicampeões pan-americanos. Caio e Nory estavam na equipe vice-campeã em Toronto 2015. Luis Guilherme estreou no Pan já com o ouro.

Todos tiveram importante participação. Zanetti puxou o grupo nas argolas com um notão. Nory colocou suas notas em todos aparelhos no somatório da equipe. Chico teve uma competição 100% e foi fundamental para salvar o cavalo com alças do Brasil. Caio brilhou especialmente no salto e nas barras paralelas. E o caçula Luis também voou no salto.

O Pan de Lima foi um ensaio de luxo para o Brasil de olho no Mundial de Stuttgart, em outubro. Na Alemanha, os brasileiros vão buscar uma das nove vagas na disputa por equipes para a Olimpíada de Tóquio 2020 – China, Rússia e Japão já estão garantidos.

Brasileiros classificados para as finais individuais

  • Individual geral – Arthur Nory (2º) e Caio Souza (5º)
  • Solo – Arthur Nory (5º) e Arthur Zanetti (7º)
  • Cavalo com alças – Francisco Barretto (5º)
  • Argolas – Arthur Zanetti (1º) e Caio Souza (8º)
  • Salto – Luis Guilherme Porto (3º)
  • Barras paralelas – Caio Souza (1º) e Arthur Nory (5º)
  • Barra fixa – Arthur Nory (1º) e Francisco Barretto (2º)
  • A final por equipes aparelho por aparelho

Barras paralelas

O Brasil começou muito bem a disputa. Coube ao estreante Luis abrir o trabalho, e ele passou sem grandes falhas para conseguir 13,050 pontos. Uma boa nota que ainda acabou sendo descartada, porque depois o Brasil ainda conseguiu três séries praticamente cravadas com Nory (14,300), Chico (14,000) e Caio, que comemorou muito a nota 14,850, a melhor do dia nas barras paralelas. Somando 43,150 pontos, o Brasil foi o líder no aparelho.

Caio Souza no Pan de Lima — Foto: Ricardo Bufolin / Panamerica Press / CBG

Barra fixa

O Brasil viveu um momento de tensão na barra fixa. Luis abriu com dificuldades e tirou 11,500. Nory foi na sequência, começou muito bem em seu aparelho mais forte, mas sofreu uma queda em um dos seus voos mais difíceis, um Jaeger com pirueta. Ficou por uns segundos no chão até olhar para a barra e dizer: “A barra está torta”. Estava mesmo. Os árbitros confirmaram o problema e deram a chance de refazer a série. Antes Caio e Chico cravaram suas apresentações e tiraram 13,850 e 14,050 pontos. Então Nory entrou de novo em ação e praticamente cravou sua apresentação, inclusive o Jaeger com pirueta. A nota 14,400 foi a mais alta do aparelho entre todos os competidores e puxou o resultado do Brasil. Com 42,300 pontos, o Brasil também foi líder na barra fixa.

Arthur Nory no pan de Lima — Foto: Ricardo Bufolin / Panamerica Press / CBG

Solo

O Brasil teve seu primeiro problema no solo, mas nada que atrapalhasse o somatório da equipe. Caio sofreu uma queda na segunda acrobacia e conseguiu 12,700 pontos. Mas a nota foi descartada, porque foi superada por Luis (13,450), Zanetti (13,650) e Nory (13,750), medalhista de bronze neste aparelho na Rio 2016. Somando 40,850 pontos, o Brasil só ficou atrás dos Estados Unidos no solo.

Arthur Nory no pan de Lima — Foto: Ricardo Bufolin / Panamerica Press / CBG

Cavalo

Era a vez do cavalo com alças, sempre o ponto fraco do Brasil. Luis apresentou uma série sem grande dificuldade, mas passou sem queda (12,550). Nory teve problemas de execução e quase caiu (12,250). Caio estava bem, mas no final perdeu o ritmo e sofreu mais uma queda (11,800). Aí Francisco Barretto, que foi reserva na final deste aparelho no último Mundial, recuperou. Ele conseguiu 13,950 para não deixar o Brasil desandar. Com 38,750 pontos, o Brasil foi o terceiro melhor no aparelho, mas bem atrás de Estados Unidos e Canadá, o que colocou o ouro em risco.

Francisco Barretto no Pan de Lima — Foto: Ricardo Bufolin / Panamerica Press / CBG

Argolas

O Brasil voltou ao trilho nas argolas, comandado por Arthur Zanetti. Luis (13,000) e Nory (13,250) abriram. Caio, que foi reserva da final deste aparelho no último Mundial, conseguiu 13,800 pontos. Aí veio o campeão olímpico. Zanetti fez uma série com um décimo de dificuldade menor em relação ao que vem apresentando neste ano, mas compensou com uma excelente execução. A nota 15,000 foi a maior entre todos os aparelhos do Pan. Assim, o Brasil somou 42,050 pontos e foi líder no aparelho. Foi o diferencial para os Estados Unidos, que se apresentaram por último no aparelho, tiveram falhas e acabaram com a prata.

Arthur Zanetti no Pan de Lima — Foto: Ricardo Bufolin / Panamerica Press / CBG

Salto

No aparelho que mais dá pontos, o Brasil mostrou segurança. Nory conseguiu 14,250. Zanetti deu um passo grande na aterrissagem e tirou 14,200, nota que ainda foi descartada. Finalista do salto no último Mundial, Caio tirou 14,550, mas não tentou um segundo voo para buscar vaga na decisão do aparelho no Pan. Bronze no salto da Universíade no começo deste mês, Luis também tirou 14,550 e depois tirou um 14,050 no segundo voo. Com média de 14,300, ele se classificou para a final. Com mais 43,350 pontos, o Brasil foi o líder no salto.

Luis Guilherme Porto no Pan de Lima — Foto: Ricardo Bufolin / Panamerica Press / CBG

Luis Guilherme Porto no Pan de Lima — Foto: Ricardo Bufolin / Panamerica Press / CBG

Esporte

VOCEM marca eleição do Conselho Deliberativo

Na ocasião, serão eleitos presidente, vice-presidente e secretário do Conselho Deliberativo.

Publicado em

Assessoria
Time avalia atletas para formar a equipe sub-20 para 2020 (Foto: Divulgação)
Time avalia atletas para formar a equipe sub-20 para 2020 (Foto: Divulgação)

Cumprindo o que prevê o Estatuto Social do clube, o VOCEM de Assis realizará eleição para o seu Conselho Deliberativo, cujo mandato terá validade para os dois próximos anos.

O presidente em exercício do CODE, empresário Edson Lima Fiuza, após encontro realizado com os demais conselheiros e dirigentes da Executiva, na noite desta terça-feira, dia 15 de outubro, decidiu convocar a eleição para a próxima quarta-feira, dia 23 de outubro, às 18 horas, no Departamento Jurídico do clube, localizado à rua doutor Clybas Pinto Ferraz, 38, na vila Xavier.

Fiuza explicou que somente os conselheiros em dia com as obrigações com o clube, inclusive as contribuições mensais, poderão participar da votação.

Na ocasião, serão eleitos presidente, vice-presidente e secretário do Conselho Deliberativo.

Na mesma data da eleição, 23 de outubro, o presidente eleito do Conselho Deliberativo deve convocar eleições para o Conselho Fiscal e Diretoria Executiva, que deverão ocorrer ainda neste mês.

Fiuza admitiu a possibilidade de continuar no cargo, mas adiantou que exigirá dos novos dirigentes ‘transparência total na aplicação dos recursos’. Ele pretende exigir da nova diretoria a publicação mensal das despesas e dos valores arrecadados com patrocínio, bilheteria e outros tipos de arrecadação e aportes dos empresários e investidores. “Quero ver todos os gastos publicados no portal do clube”, comentou.

CASÃO
O atual presidente da Diretoria Executiva do VOCEM, Fábio Luís Mânfio, já está com a cabeça na Copinha São Paulo de 2.021, mesmo não sabendo se permanecerá no cargo de principal dirigente do ‘Esquadrão da Fé’ nos próximos dois anos.

Após ser recebido pelo prefeito José Aparecido Fernandes e ter ouvido a promessa do Chefe do Executivo de que o clube mariano será o representante oficial da cidade na Taça São Paulo em janeiro de 2.021, Mãnfio decidiu iniciar o planejamento visando a formação da equipe.

O primeiro passo, junto com o técnico Rodrigo Casa Grande, o ‘Casão’, foi comunicar, através das redes sociais, que “as atividades estão a todo vapor com relação às avaliações para as categorias de base e equipe profissional para as disputas das competições em 2020 e Copa São Paulo em janeiro de 2021”.

‘Casão’ foi coordenador técnico e treinador no Itararé nas temporadas 2.018 e 2.019 e já está residindo em Assis.

“É um trabalho com planejamento, sem pressa, e isso será o diferencial do clube para a próxima temporada. Estamos recebendo atletas de toda a região e até mesmo de outros estados. Tenho gostado do que estou vendo. Os garotos vêm em busca de um sonho e estamos aqui para ajudá-los no que for possível. Vamos abrir as portas e o resto é com eles, dentro de campo” afirmou o treinador vocemista, na página oficial do clube, numa rede social. Mânfio explicou que “as avaliações vêm acontecendo em dois períodos no Centro de Treinamento ‘Padre Beline’, antiga Assis Diesel – e deverão se estender ainda até o mês de novembro”, Ele finalizou dizendo que “maiores informações podem ser obtidas pelo telefone (15) 99841-5107 com o próprio Casão”.

Continue lendo

Esporte

Cândido-motense participa como árbitro de competição dos Emirados Árabes

Professor de jiu-jitsu Anderson Oliveira, o ‘Tim, participou do evento no último dia 6, na cidade de Barueri, na Grande São Paulo.

Publicado em

De O Diário do Vale
Cândido-motense participa como árbitro de competição dos Emirados Árabes (Foto: Reprodução)
Cândido-motense participa como árbitro de competição dos Emirados Árabes (Foto: Reprodução)

O professor cândido-motense de jiu-jitsu Anderson Oliveira, o ‘Tim, participou no último dia 6, de evento internacional na cidade de Barueri, na Grande São Paulo, o International Pro, da United Arab Emirates Jiu Jitsu Federation, a UAEJJF. “Realizei a função do árbitro, no considerado jiu-jitsu profissional”, disse ‘Tim’.

De acordo com o professor e árbitro de Cândido Mota, o jiu-jitsu nos Emirados Árabes é tratado de forma bem diferente do que no Brasil.

“Nos Emirados Árabes, o jiu-jitsu é matéria escolar, ensinado às polícias e forças armadas, além de serem oferecidas aulas particulares aos sheiks e nativos, terem excelentes remunerações e eventos glamourosos. Por isso, o esporte tem levado inúmeros brasileiros a morar e viver de jiu-jitsu naquela nação. Um sonho para quem quer viver da arte marcial”, ressaltou Anderson ‘Tim’.

“Pude ver toda esta estrutura de perto, trabalhando ao lado dos profissionais que atuam nesse esporte por lá. De dentro vi que é o verdadeiro jiu-jitsu profissional”, completou o faixa preta Andersom ‘Tim’.

Cândido-motense participa como árbitro de competição dos Emirados Árabes (Foto: Reprodução)

Cândido-motense participa como árbitro de competição dos Emirados Árabes (Foto: Reprodução)

Continue lendo

Esporte

Fundo Social apresenta aos patrocinadores uniformes dos competidores do 23º JORI

A 23º edição dos Jogos Regionais do Idoso, será de 9 até 13 de outubro em Osvaldo Cruz.

Publicado em

Assessoria
Fundo Social apresenta aos patrocinadores uniformes dos competidores do 23º JORI (Foto: Departamento de Comunicação)

A presidente do Fundo Social de Solidariedade de Assis, Luciana Barreto Fernandes, na companhia do secretário Municipal de Esportes, Silvio Nogueira Bahia, apresentaram aos patrocinadores os novos uniformes que os atletas vão usar durante o 23º Jogos Regionais do Idoso, que acontece no período de 9 até 13 de outubro em Osvaldo Cruz.

Durante a apresentação, estiveram presentes os representantes da Fema, o diretor Eduardo Vela, das Drogarias Catedral, a diretora de Marketing Roberta Ireno e da World Sport, Marcelo.
Os kits de uniformes contém 3 camisetas e 1 short, além do kit higiene com escova de dente, creme dental, toalha, pente e saboneteira.

Assis participa do JORI competindo em 14 modalidades; no atletismo, bocha, coreografia, damas, buraco, dança de salão, dominó, malha, natação, tênis de mesa, tênis de campo, truco, vôlei adaptado e xadrez.

Continue lendo
WhatsAssp AssisNews
Solutudo 300
Publicidade

FaceNews

Mais lidas