Legalização dos Jogos no Brasil – Uma Realidade Bastante Próxima

A crise econômica aproxima a regulamentação dos jogos de azar no Brasil e já conta com o apoio de nomes importantes no governo.

Houve um tempo em que os cassinos e jogos de azar movimentavam a economia de uma série de cidades, como Petrópolis, Poços de Caldas, Lambari, Caxambu e outras. No entanto, em 1946, o presidente Eurico Gaspar Dutra proibiu todos eles sob o argumento de que tal atividade é degradante para o ser humano.

Porém, tal posição foi indicada pela primeira-dama, Carmela Teles Leite Dutra, popularmente conhecida como Dona Santinha, baseada exclusivamente na sua devoção a igreja e aos dogmas religiosos.

A proibição fez com que mais de 40 mil trabalhadores empregados pelos cassinos, e mais de 80 mil que se beneficiavam diretamente dos jogos, ficassem desempregados, levou a falência uma série de estabelecimentos e fechou grandes redes de hotéis.

Já nos dias de hoje, a atual crise econômica, que não apresenta sinais de diminuição, levaram os políticos a pensar na regulamentação dos jogos de azar no Brasil, com a criação da comissão especial do Marco Regulatório dos Jogos, esse embate ocorre desde agosto de 2016 no Congresso.

Atualmente, diante dos atuais números da economia, muitos políticos já começaram a rever os seus conceitos sobre a liberação dos cassinos, entre eles estão os mais religiosos, como é o caso do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, bispo da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

A regulamentação dos cassinos no Brasil é uma posição publicamente defendida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que conta com o apoio do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e do presidente da Embratur, Gilson Machado, que estão diretamente interessados na arrecadação de impostos e no crescimento de turistas estrangeiros no país.

O lobby para a regulamentação dos cassinos também é de agrado dos mais altos cargos políticos, como o ministro da Economia, Paulo Guedes, e até mesmo o presidente da república, Jair Bolsonaro, segundo assessores confirmaram.

A fonte: https://brasilcasinos.com.br/dafabet/ mostra que a variedade de jogos praticados hoje em dia é bastante alta e, com a regulamentação, esse número aumentaria ainda mais visto que é um mercado bastante procurado pelos brasileiros. A própria plataforma do Dafet vem crescendo exponencialmente no Brasil, comprovando ainda mais o quão grande é esse mercado.

A princípio, os cassinos funcionariam em ambientes restritos e controlados, dentro de resorts, direcionados, quase que, exclusivamente aos turistas. A criação destas novas atrações deve ocorrer em cidades que possuem grandes belezas naturais, mas que ainda não contam com números expressivos de visitantes, como Angra dos Reis, Canindé de São Francisco, Alter do Chão, dentre outras.

Ainda assim, como quase tudo na política nacional, é importante ficar de olho nos interesses particulares envolvidos na liberação dos cassinos, já que um dos principais locais que está sendo cotado para receber um resort com cassino é a cidade de Angra dos Reis.

Curiosamente, um dos grandes beneficiados com a valorização dos imóveis do local, é o clã Bolsonaro, já que a família do atual presidente possui casas em condomínios de alto padrão no município.

Também é importante ressaltar que a criação de cassinos em resorts será extremamente benéfica para a economia nacional, e proporcionará uma série de postos de empregos, ao atrair mais turistas estrangeiros e movimentar empresas e prestadores de serviços ao redor destas localidades.

Outro ponto extremamente positivo será a presença de multinacionais para a criação e gerenciamento dos estabelecimentos, com a aplicação de capital estrangeiro em terras brasileiras e contribuição com taxas e impostos para a união, valores que podem ser direcionados a outras áreas como saúde e educação.

#MAIS LIDAS DA SEMANA