Fique conectado

Futebol

Kaká volta à seleção “quase invisível” e diz não conhecer pessoalmente Neymar e muitos outros

Durante o período dos amistosos, Kaká passará pela situação curiosa de conhecer jogadores que cresceram vendo-o jogar.

Publicado em

79

Não houve festa para a volta de Kaká. Sem a presença de torcedores ou mesmo curiosos e diante de um número de jornalistas demasiadamente tímido para o ‘’circo’’ da seleção brasileira, o meia do Real Madrid reiniciou sua história com a camisa amarela ao adentrar no início da tarde dessa segunda-feira o saguão do hotel Radison Blu de Wroclaw.

Kaká no hotel na chegada da seleção brasileira à Polônia

E reforçou o tom da chegada ao desconversar diante de perguntas sobre a extensão de seu retorno à seleção para os jogos contra o Iraque e o Japão, os primeiros desde a partida contra a Holanda, pelas quartas-de-final da Copa do Mundo de 2010. Para o jogador do Real Madrid, o momento é de uma cautela alegre.

‘’É preciso ter calma. Não dá para pensar em Copa do Mundo agora num momento em que estou voltando depois de dois anos e meio longe da seleção. Mas é um recomeço e estou feliz por voltar.’’, afirmou o jogador.

Apesar de ter se livrado das seguidas lesões que desde antes do último Mundial afetaram sua forma física e técnica, Kaká ainda não conseguiu se firmar na equipe principal do Real Madrid, ao ponto de ter atuado por apenas 10 minutos no clássico de domingo contra o Barcelona (empate de 2 a 2 no Camp Nou). Ele também tem atuado em uma posição mais avançada do que costumava jogar na seleção anteriormente.

No entanto, o jogador minimizou os potenciais problemas, ainda que também tenha feito questão de baixar expectativas.

“Sinto-me bem fisicamente e tecnicamente. Não tenho lesão há quase um ano, venho treinando bem e conseguindo mais oportunidades no Real. Estou chegando para dividir a responsabilidade. A seleção está com jogadores novos, mas que já têm um peso forte. O grupo tem potencial para ser vencedor’’, explicou o agora veterano da seleção (30 anos), que fora chamado por Mano no final de 2011 para os amitosos contra Gabão e Egito, mas acabou cortado por conta de uma lesão muscular.

Durante o período dos amistosos, Kaká passará pela situação curiosa de conhecer jogadores que cresceram vendo-o jogar. Inclusive aquele que é o maior ídolo da seleção de agora: Neymar.

‘’Muitos eu não conheço pessoalmente. O Neymar, por exemplo, não o conheço. Já tive com o Lucas quando visitei o São Paulo recentemente. Venho numa situação diferente de quando cheguei à seleção pela primeira vez e encontrei alguns dos meus ídolos’’, analisou Kaká, que deverá começar jogando pelo menos uma das partidas, de acordo com que o treinador Mano Menezes disse há duas semanas quando anunciou a convocação.

A seleção enfrenta o Iraque na quinta-feira, em Malmo, na Suécia, e na terça mede forças com o Japão, em Wroclaw.

Publicidade

Futebol

Corinthians vence São Paulo e segue sem perder do rival na arena

Publicado em

Agência Estado
Corinthians bate São Paulo, sobe para 3º e segue sem perder do rival em sua arena. (Foto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians)

O torcedor do Corinthians continua com a sua doce rotina na sua arena, na capital paulista, quando o adversário é o São Paulo. Neste domingo, o clube alvinegro venceu por 1 a 0, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, e chegou à nona vitória diante do rival em seu estádio. Desde 2014, ano da inauguração de sua nova casa, já são 12 jogos de invencibilidade contra o rival tricolor.

A vitória levou o Corinthians aos 11 pontos no Brasileirão. O time ultrapassou justamente o São Paulo na tabela de classificação e agora é o terceiro colocado por levar vantagem nos critérios de desempate.

Se não bastasse continuar com o incômodo jejum de nunca ter vencido na casa corintiana, o São Paulo vê a pressão aumentar às vésperas da partida desta quarta-feira contra o Bahia, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. O time precisa vencer em Salvador depois de ter sido derrotado por 1 a 0 em pleno estádio do Morumbi.

O Corinthians abriu o placar logo aos seis minutos. Pedrinho bateu da entrada da grande área, a bola desviou em Arboleda e enganou o goleiro Tiago Volpi. O gol no começo do jogo caiu como um balde de água fria no São Paulo. Nervosos, os jogadores erravam passes fáceis. Alexandre Pato, por exemplo, era facilmente desarmado e Vítor Bueno não aproveitou a chance entre os titulares ao retardar a maioria das jogadas.

Já o Corinthians jogava como o técnico Fábio Carille gosta: no contra-ataque. Faltava à equipe, no entanto, melhor acabamento nas jogadas. Assim, foram pelo menos duas boas oportunidades de gol desperdiçadas antes do intervalo.

Durante todo o primeiro tempo, o São Paulo só conseguiu chegar com perigo uma única vez. Aos 23 minutos, Cássio espalmou chute de Reinaldo e a bola sobrou para Arboleda no rebote. Sozinho, o zagueiro empurrou para o fundo da rede, mas estava impedido e o árbitro anulou o gol.

O principal erro do São Paulo era centralizar demais as jogadas de ataque. Os laterais praticamente não participavam da partida e, assim, facilitavam o trabalho dos defensores do Corinthians, que congestionaram a entrada da área, bloqueando as investidas do adversário. O time tricolor era lento e previsível.

Para o segundo tempo, o técnico Cuca não mexeu no intervalo e o time continuou mal. A primeira alteração veio aos 13 minutos, quando Hernanes entrou no lugar Everton. A equipe perdeu velocidade no ataque e ganhou posse de bola no meio de campo, além força nos chutes de média e longa distância, uma das principais características do meia.

O problema, porém, era o mesmo do primeiro tempo. O time não tinha profundidade e as jogadas de linha de fundo era praticamente inexistentes. O São Paulo não transformava posse de bola em chances de gol e esbarrava no forte esquema defensivo do Corinthians.

O time de Carille, como de costume, confiava no seu poder de marcação e parecia não fazer muita questão de ficar com a bola. Bem posicionada no campo de defesa, a equipe jogava à espera de um vacilo do adversário para sair no contra-ataque.

Como o São Paulo não oferecia perigo, o Corinthians não passou sufoco, com exceção de alguns raros lances de bola parada e nos minutos finais, quando os visitantes subiram a marcação e aumentaram a pressão. Aí, faltaram tranquilidade e pontaria aos jogadores tricolores.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 1 x 0 SÃO PAULO

CORINTHIANS – Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Junior Urso e Sornoza; Pedrinho (Mateus Vital), Vagner Love (Gustavo) e Clayson (Ramiro). Técnico: Fábio Carille.

SÃO PAULO – Tiago Volpi; Igor Vinícius (Igor Gomes), Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Hudson, Tchê Tchê e Vitor Bueno (Helinho); Antony, Alexandre Pato e Everton (Hernanes). Técnico: Cuca.

GOL – Pedrinho, aos 6 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS – Junior Urso, Danilo Avelar e Sornoza (Corinthians); Antony, Igor Vinícius e Igor Gomes (São Paulo).

ÁRBITRO – Flávio Rodrigues de Souza (SP).

RENDA – R$ 1.916.228,30.

PÚBLICO – 39.378 pagantes.

LOCAL – Arena Corinthians, em São Paulo (SP).

Continue lendo

Esporte

Palmeiras e Santos, quem tem Cabonnet assiste!

Clássico será transmitido pela TNT neste sábado (18) e o assinante Cabonnet poderá vibrar junto com a torcida.

Publicado em

Do AssisNews

Você, assinante da Cabonnet, poderá assistir o clássico deste sábado (18) entre Palmeiras e Santos em partida será válida pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

O duelo será transmitido pela TNT e está marcada para as 18h, no Pacaembu. O assinante Cabonnet poderá conferir a partida através do canal analógico 62 ou pelo canal digital 126.

Aproveite e vem vibrar com a gente.

Palmeiras e Santos, quem tem Cabonnet assiste!

Continue lendo

Futebol

Levando gol nos acréscimos, Assisense perde e Marília assume liderança na Segundona

Jogando em Assis, MAC teve pênalti anotado aos 49 minutos do segundo tempo e garantiu a vitória por 1 a 0. Time de Assis segue no G-4, agora na vice-liderança.

Publicado em

Do G1
Lance da partida entre Assisense e Marília, disputada no Estádio Tonicão — Foto: Jaqueline Frizon/TV TEM

O Marília conquistou na manhã deste domingo uma vitória dramática e emocionante ao bater o Assisense por 1 a 0, com gol anotado aos 53 minutos do segundo tempo, em partida válida pela Segunda Divisão do Campeonato Paulista, o quarto e último nível do futebol estadual. O duelo, válido quinta rodada do Grupo 4, foi disputado no Estádio Tonicão, em Assis.

O confronto que valia a liderança da chave só foi definido nos acréscimos, com o Marília tendo a chance da vitória quando o árbitro anotou pênalti aos 49 minutos da segunda etapa. Depois de muita reclamação dos atletas do time de Assis, Lucas Souza cobrou a penalidade aos 53 minutos e fez o único gol do jogo.

Com a vitória, o MAC, que ainda está invicto na competição, foi a 11 pontos e superou o próprio Assisense para assumir a liderança do Grupo 4. O Assisense, que sofreu sua primeira derrota, manteve-se com 10 pontos, na vice-liderança. Os quatro melhores de cada chave seguem para a próxima fase.

Pela sexta rodada do Grupo 4, o Marília só volta a jogar no próximo dia 24 (sexta-feira), às 20h, quando recebe o Vocem no estádio Abreuzão, em Marília. No domingo seguinte, às 10h, o Assisense joga de novo no Tonicão, onde recebe o Elosport.

Continue lendo
WhatsAssp AssisNews
Plenitude
Publicidade

FaceNews

Mais lidas