Fique conectado

Tecnologia

‘Busca sob censura’: por que o suposto plano do Google para chegar à China é polêmico

Portal de notícias diz que Google estaria desenvolvendo mecanismo de busca adaptado a regras de censura da China para retomar a operação no país, o que, para ativistas, seria ‘precedente assustador’.

Publicado em

280

O novo mecanismo de busca do Google mostraria lista com sites proibidos e excluídos com um aviso dizendo que "alguns resultados podem ter sido removidos devido a exigências legais" (Foto: Reuters)

O Google está desenvolvendo uma versão do seu mecanismo de busca adaptada à censura da China.

A empresa havia desativado o mecanismo no país em 2010, se queixando de que a liberdade de expressão estava sendo limitada pelo governo.

Agora, segundo o portal de notícias The Intercept, estaria trabalhando em um projeto de codinome Dragonfly (libélula, em inglês), que bloqueará termos considerados sensíveis no país, como direitos humanos e religião – uma medida que, segundo analistas, deverá ser duramente criticada por ativistas.

Um jornal estatal na China, o Securities Daily, negou as informações. Questionado, o Google emitiu uma nota, através de uma porta-voz.

“Oferecemos uma quantidade de apps na China, como Google Translate e Files Go, ajudamos desenvolvedores chineses e fizemos investimentos consideráveis em empresas chinesas como JD.com”, diz o comunicado.

“Mas não comentamos especulações sobre planos futuros.”

O que o The Intercept disse?

Citando documentos e fontes internas do Google, o Intercept informou que o Dragonfly foi iniciado na primavera de 2017 e acelerado em dezembro, depois de um encontro entre o CEO do Google, Sundar Pichai, e uma autoridade do governo chinês.

O portal diz que um aplicativo para Android com versões chamadas Maotai e Longfei foi desenvolvido e poderá ser lançado dentro de nove meses se conseguir a aprovação do governo.

As agências de notícias Reuters e Agence France-Presse (AFP) disseram ter confirmado as informações a partir de fontes distintas.

Como o mecanismo funcionaria?

Segundo o Intercept, o aplicativo filtra buscas por assuntos “sensíveis”, que lista ao identificar sites bloqueados pelo chamado Great Firewall, o mecanismo de censura imposto pelo governo na internet do país.

Uma busca feita com o aplicativo resultaria em uma lista com sites excluídos e um aviso dizendo que “alguns resultados podem ter sido removidos devido a exigências legais”.

Entre os sites de acesso bloqueado, estariam o da BBC News e da Wikipedia.

Qual tem sido a reação dentro do Google?

Se por um lado o comando da empresa preferiu não comentar “especulações sobre planos futuros”, houve sinais de descontentamento com o app dentro da empresa.

Um funcionário que falou à agência Reuters disse que se transferiu da unidade em que trabalhava para evitar envolvimento no projeto.

Outra fonte entrevistava pela a AFP disse que “há muita angústia internamente”. E que “algumas pessoas estão muito zangadas”.

Mas analistas dizem que a medida causa pouca surpresa. Falando em uma conferência em 2016, Pichai, o CEO do Google, foi bem claro sobre os planos da empresa no país: “O Google é para todos – queremos que ele esteja na China ajudando usuários chineses”.

E os ativistas?

A Anistia Internacional disse que o Google não deveria prosseguir com o programa.

Patrick Poon, pesquisador da Anistia na China, disse em comunicado: “Será um dia sombrio para a liberdade na internet se o Google concordar com as regras de censura extrema da China para obter acesso ao mercado”.

“Ao colocar os lucros acima dos direitos humanos, o Google estaria estabelecendo um precedente assustador e dando uma vitória ao governo chinês”, acrescentou ele.

O que a China disse?

O governo não se pronunciou sobre o assunto. Mas o jornal estatal Securities Daily, citou “departamentos relevantes” para dizer que as reportagens sobre o retorno do Google ao país eram falsas.

A Reuters citou uma autoridade chinesa dizendo que o Google tinha estado em contato com autoridades sobre o assunto, mas que ainda não havia obtido aprovação para o programa.

Por que o Google gostaria de voltar ao mercado chinês?

A China é o maior mercado de internet do mundo.

O Google desativou seu mecanismo de busca na China em 2010, mas ainda emprega 700 pessoas no país em outros projetos (Foto: AFP)

Apesar de seu mecanismo de busca principal e o YouTube – plataforma de vídeos da qual é dono – estarem bloqueados na China, o Google tem 700 funcionários no país e vem desenvolvendo projetos alternativos.

Seu aplicativo Google Translate para smartphones foi aprovado na China no ano passado.

A empresa também investiu em janeiro no Chushou, uma plataforma de jogos chinesa de transmissão ao vivo, e lançou um jogo de inteligência artificial no aplicativo de troca de mensagens instantâneas WeChat.

O que a China bloqueia?

Há uma censura rigorosa no país a sites e apps de redes sociais populares, como Facebook, Twitter, Instagram e Telegram.

Certos tópicos, como os protestos na Praça da Paz Celestial em 1989 – liderados por estudantes que protestavam contra a censura, a repressão e a corrupção do governo – estão completamente bloqueados.

Referências à oposição política, dissidentes e atividades anticomunistas também são proibidas, assim como à liberdade de expressão e sexo.

Nos últimos dois anos, a China impôs regras cada vez mais rígidas e vários sites estrangeiros sofrem severas restrições.

Games

Google anuncia o Stadia, um ‘Netflix dos games’

Com ajuda de sua infraestrutura de processamento na nuvem, os jogadores desfrutarão de games em qualquer tela, do celular à TV e com qualquer controle.

Publicado em

Agência Estado
Google anuncia o Stadia, um ‘Netflix dos games’

“O futuro dos games não está mais numa caixa”: foi assim que o Google apresentou nessa terça-feira (19), o Stadia, seu novo serviço de streaming de games. Com ajuda de sua infraestrutura de processamento na nuvem, a gigante americana vai permitir que os jogadores desfrutem de games em qualquer tela, do celular à TV e com qualquer controle, desde que estejam conectados à internet. Se funcionar, a ideia pode acabar com um mercado tradicional do entretenimento: a venda de consoles e jogos em formato físico, desbancando marcas como Sony, Nintendo e Microsoft.

Anunciado durante a Game Developers Conference, evento do setor realizado nesta semana em São Francisco, o Stadia (estádios, em latim) deve chegar ao mercado até o fim do ano nos EUA, Canadá, Reino Unido e na Europa. Não há data prevista para o Brasil. Ainda não está claro, porém, como os jogadores pagarão para usar o Stadia.

Analistas apontam que uma assinatura, nos moldes do Netflix ou do Spotify, é o modelo de negócios mais provável. Ainda não se sabe também quais e como serão os jogos disponíveis – em São Francisco, títulos de alto desempenho como Doom e Assassin’s Creed surgiram entre as promessas.

Funcionalidades

Além de permitir partidas pela rede, sem que o usuário precise de um novo dispositivo, o Google quer trazer novas funções aos games.

Por meio do Stadia, criadores de conteúdo poderão jogar partidas ao vivo junto com espectadores, em uma função chamada Crowd Play Outra ferramenta, chamada State Share, permitirá que um jogador comece a jogar uma fase específica de um jogo, em menos de dez segundos, a partir de um vídeo que mostre o mesmo nível.

O Google criou um estúdio próprio de jogos para o Stadia – comandado por Jade Raymond, que criou games como Watch Dogs, da Ubisoft. Haverá ainda um controle próprio do Stadia, no qual usuários poderão apertar botões específicos para gravar vídeos de seus jogos ou pedir ajuda ao Google Assistant para consultar como passar de fase.

Competição

O Stadia não chega sozinho ao mercado: Sony e Microsoft também devem lançar algo parecido este ano. Para analistas, é um setor cheio de potencial, mas com incertezas.

“O Stadia é uma ótima prova de conceito, mas só fará sucesso se tiver usuários e bom conteúdo disponível”, disse Daniel Ahmad, da consultoria Niko Partners, pelo Twitter.

Já André Pase, professor da PUC-RS, aponta que redes podem ser entrave. “Não basta uma conexão boa, é preciso que ela seja boa o suficiente para permitir ao jogador ter tempo de reação dentro dos games.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Continue lendo

Facebook

Facebook e Instagram ficam instáveis no Brasil e em outros países

Usuários relataram dificuldades também no WhatsApp.

Publicado em

Agência Brasil

O Facebook e o Instagram apresentaram ontem (13) problemas de instabilidade no Brasil e em outros países. Os usuários reclamavam no Twitter de não conseguir acessar ou de ter acesso limitado ao Facebook e ao Instagram. Usuários também relataram dificuldades em usar alguns recursos do WhatsApp.

Por meio do Twitter, o Facebook reconheceu o problema e disse que está trabalhando na manutenção da plataforma. “Estamos cientes de que algumas pessoas estão atualmente tendo problemas para acessar a família de aplicativos do Facebook. Estamos trabalhando para resolver o problema o mais rápido possível”, postou.

Em um post, o Facebook negou que a instabilidade foi causada por um ataque cibernético do tipo “DDoS”, como são conhecidos os Ataques Distribuídos de Negação de Serviço. Esse tipo de ataque sobrecarrega os servidores com uma alta demanda de conexões.

Também houve relatos de usuários de instabilidades no Google Drive, mas o serviço já funciona normalmente.

O Instagram anunciou que “ocorreu um erro” e orienta a “tentar novamente”. “Estamos cientes de um problema que impacta o acesso das pessoas à integração agora mesmo. Sabemos que isso é frustrante, e nossa equipe está trabalhando duro para resolver isso o mais rápido possível”, tuitou a empresa.

Outros relatos foram dificuldades de uso do WhatsApp. Muitos usuários se queixaram de não conseguir enviar fotos ou áudios pelo aplicativo.

A Agência Brasil não conseguiu contato com a assessoria de imprensa do aplicativo.

Continue lendo

Facebook

Zuckerberg fala em unificar WhatsApp, Instagram e Messenger

O projeto foi citado num longo texto publicado no perfil do executivo.

Publicado em

Agência Estado
Zuckerberg fala em unificar WhatsApp, Instagram e Messenger

Mark Zuckerberg confirmou nesta quarta (6), a intenção de unificar todos os apps da empresa usados para comunicação, o que inclui WhatsApp, Messenger e Instagram. O projeto foi citado num longo texto publicado no perfil do executivo que tenta delinear o futuro da rede social no segmento de mensagens privadas.

A ideia é que cada usuário em um serviço possa se comunicar com usuários dos outros apps. Por exemplo, um usuário de WhatsApp mandar uma mensagem diretamente para um perfil no Instagram. O plano envolve também a possibilidade de responder mensagens SMS por meio dos apps da empresa.

Zuckerberg não deu data para a integração – em janeiro último, o New York Times afirmou que a companhia já trabalha no projeto. Isso levou reguladores europeus questionarem a empresa, pois consideram que isso pode afetar a privacidade dos usuários. Por enquanto, o executivo diz apenas que as pessoas poderão optar ou não por participar dessa plataforma mais ampla, e que os usuários poderão manter ativas suas contas em cada um de seus serviços.

“Há muitas questões aqui que demandam mais consultas e discussões. Porém, se pudermos implementar isso, poderemos dar para mais pessoas a escolha de usar seu serviço preferido para fazer com segurança contato com as pessoas que quiserem”.

Para o executivo, parte do desafio para tornar a unificação realidade é manter a privacidade dos usuários – boa parte do texto se debruça sobre como o Facebook pode preservar a privacidade dos usuários. Ele diz que planeja implementar criptografia em todos os seus apps, recurso existente apenas no WhatsApp atualmente. Porém, ele diz que é necessário encontrar um equilíbrio para identificar criminosos na plataforma.

“Compreendo que muita gente não acredita que o Facebook poderia ou gostaria de construir uma plataforma focada em privacidade – porque, francamente, não temos uma forte reputação para construir serviços que protegem a privacidade, e historicamente focamos em ferramentas mais abertas”, disse.

Continue lendo
Solutudo 300
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas