Fique conectado

Brasil

Antes de chegar ao altar, grávida sofre AVC e morre em frente a igreja

A jovem tinha 30 anos e teve que ser submetida a uma cesárea de emergência.

Publicado em

1.469

REPRODUÇÃO / INSTAGRAM

Jéssica Victor Guedes não conseguiu realizar um de seus principais sonhos: casar-se. Aos 30 anos, poucos minutos antes de subir ao altar, a jovem começou a sentir um mal-estar. De início, acharam que era apenas uma ansiedade por conta da cerimônia. Mas quando seu noivo, Gonçalves, foi ver o que estava acontecendo, encontrou sua mulher desmaiada.

Tudo começou quando Jéssica ficou grávida. Ela e o marido decidiram realizar o casório antes da filha, Sophia, nascer. A cerimônia foi organizada nesse domingo (15), mas pouco tempo antes de Jéssica chegar a igreja, a noiva começou a sentir dores fortes pelo corpo.

Quando chegou ao local, o noivo, que já foi bombeiro, a encontrou desmaiada e, então, começou a prestar os primeiros socorros. Após a chegada da ambulância, Jéssica foi levada para um hospital de São Paulo. Porém, o caso era mais grave do que se imaginava e foi preciso transferi-la para o Hospital e Maternidade Pro Matre Paulista.

REPRODUÇÃO / INSTAGRAM

Após a realização de alguns atendimentos, foi constatado que Jéssica tinha sofrido um AVC por causa de uma pré-eclâmpsia. Ao chegar na maternidade, a noiva já estava sem atividade cerebral. Segundo a tenente Mariana, da Seção de Comunicação Social do 46º Batalhão de Polícia Militar, a equipe do hospital decidiu realizar uma cesárea de emergência. Com sucesso, a pequena Sophia nasceu com 29 semanas, pesando cerca de 1kg.

Em entrevista à revista Crescer, Mariana relatou que tudo estava bem na gestação da mãe de Sophia. “Jéssica estava fazendo acompanhamento pré-natal, não teve nenhum pico de pressão alta durante toda a gestação. Ela era saudável, fazia atividade física e se alimentava bem”, revelou a tenente.

Pelos gastos que o casal teve com o casamento, Gonçalves decidiu realizar uma vaquinha online para arcar com o atendimento da filha Sophia, que foi socorrida por uma unidade hospitalar fora do seu convênio médico. Além disso, por conta da morte cerebral de Jéssica, a família decidiu que todos os órgão seriam doados, atendendo a um pedido dela mesma.

De acordo com a Crescer, o Hospital e Maternidade Pro Matre Paulista divulgou uma nota. “No momento, toda a equipe da maternidade está priorizando o apoio, conforto e atenção às famílias do Tenente Gonçalves e da paciente, ajudando-as com todas as providências necessárias”

Brasil

Menino de três anos tem parte do pênis amputada após cirurgia de fimose

Família acredita que ocorreu erro médico. O cirurgião que realizou o procedimento foi encontrado morto em casa dias depois .

Publicado em

Do Jornal de Brasília

Um menino de três anos teve parte do pênis amputada após fazer uma cirurgia de fimose. O pai da criança contou que o cirurgião não admitiu e só teve a confirmação quando transferiu a criança para outro hospital, que a submeteu a uma cirurgia de reconstrução da parte que sobrou do membro.

O cirurgião responsável pela fimose, que é a retirada de excesso de pele do pênis, morreu em casa dias após o acontecimento. A confirmação da morte do médico foi dada pela prefeitura de Malacacheta-MG, cidade onde ocorreu o caso.

A secretaria de Saúde informou que, além do cirurgião, ainda participaram do procedimento um anestesista, um enfermeiro, um instrumentador e dois circulantes de sala. A secretaria disse ainda que solicitou a abertura de um procedimento administrativo.

De acordo com o pai, após pedir para enfermeira trocar o curativo, não conseguiu visualizar o membro. Ele conta que deixou o filho no hospital e a mãe dele ficou como acompanhante. Ele foi para uma reunião e quando retornou, soube que tinha algo errado. A cirurgia que deveria ter durado uns trinta minutos levou cerca de quatro horas.

Ainda segundo ele, quando tirou o primeiro esparadrapo, tinha uma gaze enrolada simulando o pênis do filho, e tudo muito ensanguentado. Quando ele levantou a gaze, não tinha pênis visível. O pai conta que ficou desesperado.

O pai teria chamado o médico de plantão, porque o que tinha operado a criança, teria ido embora, e ele falou que não podia avaliar porque não tinha participado da cirurgia.

Ele procurou o prefeito e o secretário de saúde do município. Segundo ele, mostrou a foto do filho e questionou o secretário, que continuou dizendo que estava tudo bem. Horas depois, o médico que realizou a cirurgia apareceu e disse que estava tudo normal, que quando o pênis desinchasse, ele conseguiria ver o pênis do filho.

Como a criança continuava a reclamar de dores, no dia seguinte o pai assinou um termo de responsabilidade e transferiu a criança para outro hospital.

Na nova unidade, o menino passou por dois novos procedimentos para avaliar o estado em que se encontrava e, em seguida, para a reconstrução do pênis. O pai conta que o laudo do segundo hospital apontou que houve laceração do prepúcio do menino e diz que somente no futuro poderá saber se o filho poderá recorrer a uma prótese.

A conta no hospital ficou quase R$ 10 mil e o pai diz que precisou pegar dinheiro emprestado para pagar, pois não recebeu apoio ou assistência do município no primeiro momento. Apenas depois do caso repercutir na mídia, a Prefeitura ressarciu os custos da segunda internação.

O crime está sendo apurado como lesão corporal. De acordo com a polícia, os familiares já foram ouvidos e agora membros da equipe de cirurgia serão ouvidos. A intenção é apurar se o erro foi apenas do médico que o operou ou mais pessoas teriam contribuído para os danos sofridos pela criança.

Continue lendo

Brasil

Carro desaparecido é encontrado com sete pessoas mortas

Carro com as vítimas – 6, da mesma família – estava sumido desde a noite de domingo, e foi achado no interior de uma vala em Pindamonhangaba

Publicado em

Do Metrópoles
FOTO: DIVULGAÇÃO/CORPO DE BOMBEIROS

Sete pessoas, entre elas duas crianças, foram encontradas mortas na manhã desta segunda-feira (07) no interior de um automóvel acidentado, na zona rural de Pindamonhangaba, interior de São Paulo.

O carro com as vítimas – seis da mesma família – estava desaparecido desde a noite de domingo (06). O veículo foi encontrado por volta das 6h no interior de uma vala com água, à margem da Estrada do Sapucaia, que liga a cidade ao bairro do Ribeirão Grande. Segundo a Polícia Militar, todos os ocupantes já estavam mortos, a maioria por possível afogamento.

Segundo a PM, na manhã de domingo, o motorista Douglas Fabrício, de 26 anos, e sua esposa, Angélica Mathias, de 27, decidiram levar suas filhas, de 6 e 8 anos, para brincar em um rio, no bairro rural. Os pais de Angélica e um vizinho de 36 anos também foram convidados e seguiram no mesmo veículo, um Volkswagen Gol. À noite, eles não chegaram de volta às suas casas e os familiares iniciaram as buscas.

Um parente encontrou o carro parcialmente submerso em uma vala, na estrada terra de acesso ao bairro. Conforme a Polícia Militar, exames no local indicaram que o veículo capotou e caiu na vala. Equipes do Corpo de Bombeiros fizeram o resgate das vítimas. Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Pindamonhangaba. Os exames devem indicar a provável causa das mortes. A Polícia Civil abriu inquérito para apurar as causas do acidente. O carro foi retirado da vala e vai passar por perícia.

Continue lendo

Brasil

Assessor do PT que ficou milionário volta a ganhar na Mega-Sena

O sortudo participou de bolão de funcionários do partido que foi premiado com R$ 120 milhões. Desta vez, embolsou R$ 579.

Publicado em

Do Metrópoles
Assessor do PT que ficou milionário volta a ganhar na Mega-Sena (Foto: Marcelo Fonseca/Folhapress)

Um dos assessores do PT que integrou o bolão – composto por 49 pessoas – premiado com a bagatela de R$ 120 milhões, há duas semanas, parece ter muita sorte. Dias após virar milionário, o participante voltou a ganhar na Mega-Sena. Desta vez, o valor não foi tão alto, visto ter acertou apenas a quadra, e não os seis números da maior loteria do país. Ele levou para casa R$ 579. A informação é da GaúchaZH.

“Tenho certeza de que vou ganhar de novo. Jogo há mais de 20 anos. Eu não ganhei na sorte, mas na insistência”, disse o sortudo, que não teve a identidade revelada à reportagem.

Contou também que, embora prefira a discrição, não está escondendo a novidade de parentes e amigos que o questionam sobre o assunto. O destino da bolada ainda é incerto. Ele investiu fração do prêmio em pecuária, mas ainda não sabe o que fará com a maior parte do dinheiro.

Em 18 de setembro, a loteria sorteou R$ 120 milhões, valor rateado em 49 cotas, pagando R$ 2,4 milhões a cada participante. As dezenas sorteadas foram 04, 11, 16, 22, 29 e 33. Por hábito, o petista seguiu apostando e, em 24 de setembro, ganhou mais R$ 579,20.

“Não dá para parar de trabalhar com esse valor. Claro que não há mais a preocupação do dia a dia, mas está todo mundo trabalhando”, frisou.

Continue lendo
Solutudo 300
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas