Piranhas voltam a atacar banhistas no balneário de Rancharia

Segundo uma das vítimas, pelo menos dez casos foram registrados somente neste domingo (22) no ponto turístico

Prefeitura de Rancharia pretende instalar telas de proteção para impedir o contato de banhistas com peixes no Balneário Municipal (Foto: Reprodução / ifronteira.com.br)

Banhistas que se divertiam no Balneário Municipal de Rancharia no último fim de semana voltaram a ser alvos de ataques de piranhas. Segundo a vendedora e estudante Maele Galvão da Silva, de 18 anos, moradora de Álvares Machado e uma das vítimas, houve pelo menos 10 casos do gênero somente no domingo (22).

Embora não tenha atendido a nenhuma ocorrência, o Corpo de Bombeiros também citou que houve pelo menos dez casos de pessoas que buscaram atendimento no serviço de saúde disponibilizado no município.

“Em um dos casos, um adolescente precisou amputar o dedão de um dos pés”, afirmou Maele, que registrou um boletim de ocorrência na Delegacia Participativa, em Presidente Prudente. Ela contou que foi atacada pelas piranhas por volta das 16h30, quando estava dentro da represa, a cerca de cinco metros da margem, e sofreu ferimentos no pé esquerdo, por causa das mordidas dos peixes.

A vendedora citou que pagou uma tarifa de R$ 5 para ter acesso ao balneário, mas reclamou que o local não possuía salva-vidas nem qualquer aviso sobre o risco de ataque de piranhas. A vítima precisou procurar atendimento médico por meios próprios, junto ao hospital de Rancharia, onde tomou conhecimento, segundo o B.O., de que havia outros  registros de ataques de piranhas no Balneário Municipal.

“Eu saí rapidamente da água, passei álcool no local dos ferimentos e usei uma camiseta para tentar estancar o sangue. Na hora, ardia muito, ficava latejando e parecia que martelava o dedo”, disse a vendedora, que visitou a represa de Rancharia pela primeira vez.

Na Delegacia da Polícia Civil de Rancharia, foram registrados dois casos de ataques ocorridos no domingo (22) e, em um deles, um adolescente precisou passar por procedimento cirúrgico.

Outro lado
A diretora de Turismo de Rancharia, Sandra Franco, informou que a Prefeitura pretende providenciar a instalação de telas de proteção no balneário para impedir o contato dos peixes com as áreas delimitadas para o acesso dos banhistas.

Além disso, o Poder Executivo vai distribuir panfletos com orientações para que a população não jogue restos de alimentos na água para alimentar os peixes e ainda demarcará os locais próprios para a pesca.

“A tela de proteção é feita com material próprio e possui uma malha fina emborrachada que impede que os peixes maiores e mesmo os filhotes ultrapassem e atinjam a área dos banhistas. Tive contato com outras cidades, como Palmas , e foi o que resolveu o problema. Mas os banhistas também precisam respeitar a delimitação da área”, explicou Sandra.

Ela salientou que não dá para precisar se os ataques são feitos por piranhas, já que no lago também existem outras espécies de peixes, como tucunarés. Para viabilizar a implantação das telas, a diretora de Turismo informou que buscará ajuda de outros órgãos públicos, por meio de parcerias, e fará um levantamento dos custos da operação. O objetivo é fazer com que a medida seja aplicada na prática antes do início do verão, em dezembro, quando começará a alta temporada de turistas na represa.

No fim do ano passado, ocorreram vários casos de ataques de piranhas no balneário de Rancharia. Conforme Sandra Franco, novas ocorrências não eram registradas desde o início de 2013, mas voltaram no último fim de semana.

“Estamos preocupados com a situação, até porque a tendência é de o tempo esquentar daqui pra frente. Nunca houve esse tipo de ataque na represa, que começou no fim do ano passado. A represa é o único meio turístico do município e não podemos perdê-lo. Como já ocorreu o problema, nunca mais vamos poder descuidar. Queremos manter o nosso patrimônio turístico e não serão as piranhas que irão nos atrapalhar”, salientou Sandra.

Após a implantação das telas de proteção, a diretora de Turismo explicou que a Prefeitura adotará medidas para enfrentar o desequilíbrio ambiental que também é atribuído como um dos motivos para os ataques das piranhas, com o lançamento de alevinos de predadores no lago.

Com relação à falta de salva-vidas na represa, Sandra Franco informou que vai tomar providências para a retomada do trabalho. Ela também informou que a Prefeitura colocou avisos sobre os ataques na entrada e nas margens da represa. No entanto, segundo Sandra, os próprios frequentadores retiraram os alertas. Mesmo assim, a diretora garantiu que vai tomar providências para resolver o problema.

Ela ainda informou que já solicitou um levantamento sobre os casos registrados no último fim de semana.

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA