Condepe pede reformulação do comando da PM após morte de jovem

Órgão de defesa dos direitos humanos se reuniu com diretor do Deinter-4.
Bryan Bueno foi morto em uma abordagem policial em Ourinhos (SP)

Vítima de 22 anos foi baleada durante abordagem policial (Foto: Facebook/Reprodução)
Vítima de 22 anos foi baleada durante abordagem policial (Foto: Facebook/Reprodução)

O Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana se reuniu com o diretor do Deinter-4, em Bauru (SP), para acompanhar mais de perto as investigações do caso do jovem que foi morto em uma abordagem policial em Ourinhos no último dia 9 de junho. Para o órgão, o comando da Polícia Militar em Ourinhos precisar ser reformulado por causa dos procedimentos adotados pela PM e que teriam atrapalhado o trabalho de investigação.

A Polícia Civil investiga a denúncia de que os policiais teriam tentado alterar as imagens do circuito de segurança que registrou a abordagem policial. Além disso, o carro em que a vítima estava foi lavado antes da perícia e a arma usada pelo policial ainda não foi entregue para análise. Há também um boletim de ocorrência de ameaça registrado pela equipe do Samu que foi parada pelos policiais para fazer o atendimento ao jovem.

Vídeo mostra a ação dos policiais que resultou na morte do jovem (Foto: Reprodução / Canal Youtube AssisNews)
Vídeo mostra a ação dos policiais que resultou na morte do jovem (Foto: Reprodução / Canal Youtube AssisNews)

O policial chegou a ser preso em flagrante, mas foi liberado e o caso é investigado na Justiça Militar como homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A defesa do policial alega que o tiro foi acidental. No entanto, para o delegado João Befa, responsável pelo inquérito, o policial assumiu o risco de matar quando abordou Bryan Bueno, de 22 anos, com a arma em punho. O delegado e o Ministério Público pediram a prisão temporária e preventiva do PM, mas o pedido foi negado pela Justiça Criminal de Ourinhos. O Ministério Público já recorreu da decisão.

“A gente viu que o caso do Bryan é um caso muito emblemático da visão, da forma, de tudo o que ocorreu: a cena do crime, a forma da abordagem, a forma do policial, a forma de todo o contexto, Analisando os vídeos, a gente observou que tem que ter um empenho maior do Condepe nessa região. E o objetivo também é que seja investigado e punido quem dos policiais que foram no dia seguinte (ao crime), que nós já temos a qualificação deles, e que copiaram e deletaram (as imagens da abordagem)”, afirma Luiz Carlos dos Santos, membro do conselho.

Nesta quinta-feira (30), o conselho também vai se encontrar com o Secretário de Segurança Pública para reforçar essa necessidade de restauração do comando de Ourinhos e denunciar a as dificuldades da Polícia Civil nas investigações. “Nós vamos pedir uma restauração do comando, para que o Comando Geral do Estado de São Paulo analise e veja se os oficiais que estão nesse batalhão, eles devem permanecer ou remanejados, porque não é normal o que está acontecendo na cidade de Ourinhos. Estamos tentando reuniões com o comando local para discutir isso, mas o ponto de partida vai ser São Paulo para discutir isso ai, que será a pauta com o secretário de Segurança Pública.

Sobre o caso, a Secretaria de Segurança Pública esclareceu em nota, a Polícia Militar de Ourinhos informou que a arma foi encaminhada para o Tribunal de Justiça Militar. E que a  conduta do policial é investigada por meio de inquérito policial. A Corregedoria da PM destacou ainda que o policial autor do disparo foi preso em flagrante e liberado após audiência de custódia. O inquérito policial militar já foi encaminhado para a Justiça Militar e o policial segue afastado do trabalho externo.

#MAIS LIDAS DA SEMANA