Fique conectado

Polícia

Jovem mantida em cárcere privado com os filhos morava com o ‘marido’ desde os 10 anos

Rapaz de 25 anos foi preso em flagrante em Marília (SP) e passou por audiência de custódia. Ele responde por cárcere privado e maus-tratos, mas a polícia investiga também estupro de vulnerável.

Publicado em

625

Suspeito de 25 anos teve a prisão preventiva decretada pela Justiça em Marília — Foto: Polícia Civil (DDM) / Divulgação

A Justiça decretou na tarde desta quarta-feira (12) a prisão preventiva do rapaz de 25 anos suspeito de manter a mulher, de 18 anos, e os filhos do casal em cárcere privado em Marília (SP).

Ele vai responder por cárcere privado e maus-tratos, mas a polícia também abriu um inquérito para investigar a suspeita de estupro de vulnerável, já que a vítima, hoje com 18 anos, teria começado o relacionamento com o agressor quando tinha apenas 10.

Valdecir Júnior da Silva Bastos foi preso em flagrante na terça-feira (11), após uma denúncia anônima. A mulher dele e dois filhos, de 1 ano e 7 meses e outro, de 2 anos e 7 meses, foram encontrados na casa pela polícia com sinais de agressão.

Segundo a polícia, ele se negou a responder s perguntas e disse que só se manifestaria em juízo.

Polícia encontrou correntes que trancavam as portas da casa em Marília (Foto: Delegacia da Mulher/Divulgação)

Os policiais foram até o endereço indicado na denúncia e encontraram o imóvel trancado com cadeado e corrente. A jovem notou a movimentação dos policiais e conseguiu conversar com eles pelo muro. Ela contou que não tinha a chave da casa e não estava autorizada a sair do imóvel sem a presença do “marido”.

Com um mandado os policiais abriram o portão e na casa constataram condições precárias de higiene. A jovem contou que se relacionava com Valdecir há 8 anos. Ela disse que tinha saído de casa com 10 anos para viver com ele, que na época tinha 17, com o consentimento dos pais.

A vítima não soube informar há quanto tempo era mantida presa dentro de casa. Disse apenas que teve os filhos na maternidade e, desde então, não saiu para mais nada, somente acompanhada do “marido”. As crianças nunca tomaram vacina e, quando ela ou os filhos ficavam doentes, era ele quem saía para comprar remédios.

Local onde a mulher e as crianças ficavam estava sujo (Foto: Delegacia da Mulher/Divulgação)

“Ela estava bastante assustada e pediu ajuda para sair dessa situação. Há meses ela não saía de casa, era o ‘marido’ que fazia todas as atividades externas, fazia compras, ia ao supermercado, comprava remédios. Eles não iam nem ao médico”, explica a delegada da DDM, Viviane Sponchiado.

A justiça não informou para qual penitenciária o rapaz foi levado. A delegada também entrou com o pedido de medida protetiva urgente para a jovem e os filhos, que estão na casa de familiares.

A mãe da jovem também foi ouvida e disse não saber que a filha estava em situação de cárcere. Ela confirmou que a jovem saiu de casa para viver com o rapaz com apenas 10 anos e que as duas tinham pouco contato.

Polícia

Corpo de mulher encontrado em rio é sepultado em Assis

Edna Aparecida Rodrigues, de 46 anos, estava desaparecida há 17 dias. Seu corpo foi encontrado ‘enroscado’ na ponte do Rio Pari-Veado em Platina.

Publicado em

Do AssisNews

Edna Aparecida Rodrigues, de 46 anos era agente comunitária em Platina (Foto: Reprodução)

O corpo da agente comunitária, Edna Aparecida Rodrigues, de 46 anos foi sepultado na manhã desta terça-feira (18) no Cemitério Municipal de Assis (SP).  Ela deixou dois filhos, um de 22 e outro 26 anos.

Edna estava desaparecida desde o dia 1º de setembro, quando apresentava sinais de quadro depressivo. O fato ocorreu logo após um desentendimento com o marido, que culminou na separação.

Na ocasião, ela deixou uma carta para sua mãe, dizendo que não queria mais viver e que iria se atirar no rio, pois, não aceitava o fim do relacionamento. Após isso, ela desapareceu.

Na tarde desta segunda-feira (17) populares encontraram o corpo em estado avançado de decomposição ‘enroscado’ na ponte do Rio Pari-Veado, conhecido popularmente conhecido como Rio do Cristo, no município de Platina (SP).

Devido aos fatos apresentado pelos familiares, a polícia suspeitava de que o corpo fosse realmente de Edna. Suspeita esta, que foi confirmada após um dos filhos da agente reconhece-lá no Instituto Médico Legal (IML) de Assis.

Corpo foi encontrado na ponte do Rio Pari-Veado, conhecido popularmente conhecido como Rio do Cristo (Foto: Reprodução)

Continue lendo

Polícia

Jovem é preso após ameaçar mulher com faca e levar bolsa com R$ 500

O crime aconteceu próximo a um supermercado em Paraguaçu Paulista.

Publicado em

Do i7 Notícias
Foto: Polícia Militar/Cedida

Um jovem de 19 anos foi preso na noite desta segunda-feira (17), após roubar uma mulher em Paraguaçu Paulista (SP).

Conforme consta no boletim de ocorrência, a equipe da Força Tática foi informada, através de um policial que estava de folga, de que havia acabado de acontecer um roubo próximo ao Supermercado Avenida e que o indivíduo havia ameaçado a vítima, de 39 anos, com uma faca e levado a sua bolsa.

Com as características do acusado, os policiais realizaram buscas e localizaram o jovem, no cruzamento das ruas Sete de Setembro e Ataliba Leonel, na Vila Affine. Ele estava ainda de posse da faca e com a quantia de R$ 500,00, que foi retirada da bolsa da vítima. A bolsa foi encontrada próximo ao local da abordagem.

O indiciado foi encaminhado ao plantão policial, autuado por Roubo/Flagrante e encaminhado à cadeia pública de Lutécia (SP).

Continue lendo

Polícia

Corpo encontrado em Platina é de mulher desaparecida há 17 dias

Corpo estava ‘enroscado’ na ponte do Rio Pari-Veado. Edna Aparecida Rodrigues, de 46 anos era agente comunitária em Platina.

Publicado em

Do AssisNews

Edna Aparecida Rodrigues, de 46 anos era agente comunitária em Platina (Foto: Reprodução)

O corpo em estado avançado de decomposição que foi encontrado na tarde desta segunda-feira (17) ‘enroscado’ na ponte do Rio Pari-Veado, no município de Platina (SP) é da agente comunitária Edna Aparecida Rodrigues, de 46 anos.

Edna estava desaparecida desde o dia 1º de setembro, quando apresentava sinais de quadro depressivo. O fato ocorreu logo após um desentendimento com o marido, que culminou na separação.

Na ocasião, ela deixou uma carta para sua mãe, dizendo que não queria mais viver e que iria se atirar no rio, pois, não aceitava o fim do relacionamento. Após isso, ela desapareceu.

Devido aos fatos apresentado pelos familiares, a polícia suspeitava de que o corpo fosse realmente de Edna. Suspeita esta, que foi confirmada após um dos filhos da agente reconhece-lá.

Corpo foi encontrado na ponte do Rio Pari-Veado, conhecido popularmente conhecido como Rio do Cristo (Foto: Reprodução)

Continue lendo
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas