Fique conectado

Polícia

Secretária de universidade é presa suspeita de integrar quadrilha que vendia vagas em cursos de medicina

Mulher foi presa na casa dela, em Fernandópolis (SP), na manhã desta segunda-feira (22), durante nova fase da operação Asclépio.

Publicado em

1.038

Uma secretária da Universidade Brasil foi presa pela Polícia Civil na manhã desta segunda-feira (22), em Fernandópolis (SP), durante mais uma etapa da operação Asclépio, que investiga venda de vagas para cursos de medicina.

De acordo com a polícia, Edna Maria Alves foi encontrada na casa dela, por volta das 6h20, e teve a prisão preventiva decretada.

Ainda de acordo com a polícia, quando a operação foi deflagrada, no dia 12 de abril, foram feitas buscas na casa e no escritório dela, na universidade.

A mulher foi levada para a penitenciária de Pirajuí (SP), na região de Lins. As prisões de outros nove envolvidos no esquema foram convertidas para preventiva.

A reportagem do G1 tentou entrar em contato com a Universidade Brasil, mas não obteve retorno.

Na semana passada, foram cumpridos, em Andradina (SP), mandados para bloqueio de 127 veículos espalhados por vários estabelecimentos de venda. Todos os carros seriam de um morador de Muritinga do Sul (SP), envolvido no esquema.

Investigação

As investigações começaram em abril de 2017, quando os diretores da Fundação Educacional do Município de Assis suspeitaram do ingresso de cinco alunos. Quando foram efetuar a matrícula do curso a biometria não coincidia com a digital do dia da prova do vestibular.

Na época, a faculdade não pôde impedir a matrícula dos alunos e, diante das provas, os cinco estudantes foram expulsos em 2018, já no segundo semestre do curso. A Fema ainda procurou a Polícia Civil para registrar a suposta fraude dos alunos.

Segundo a Polícia Civil, as investigações identificaram Adeli de Oliveira, de Presidente Prudente, como o principal articulador da fraude. Ele vendia as vagas para os cursos de medicina e também as transferências de alunos para outras faculdades. O valor cobrado por vaga seria de R$ 80 mil a R$ 120 mil por estudante.

Segundo a polícia, com o avanço das diligências, apurou-se a constituição de sofisticada organização criminosa composta de três grupos, todos interligados: 1) Grupo familiar; 2) Grupo dos captadores e vendedores de vagas; e 3) Grupo de intermediários na Universidade Brasil.

O primeiro grupo, comandando pelo cabeça do esquema, coordenava todas as ações, “se valendo dos trabalhos de vários subordinados (seus familiares)”.

O segundo grupo surgiu da necessidade de se captar “vendedores de vagas”. A polícia diz que, por conta do alto número de alunos, só os familiares do articulador do esquema não teriam condições de atender toda a “oferta de vagas” em universidades particulares e a procura de interessados.

O terceiro grupo é de pessoas ligadas à Universidade Brasil, que possui faculdade de medicina em Fernandópolis. A polícia diz que, sem este grupo, não seria possível obter “êxito no engenhoso crime”. Essas pessoas eram consideradas integrantes desta organização criminosa.

Dinheiro apreendido pela Operação Asclépio, que desmantelou quadrilha que “vendia” vagas em cursos de medicina — Foto: Stephanie Fonseca/G1

Polícia

Mais um acidente em rotatória da Vila Glória em Assis é registrado

Acidente aconteceu na manhã desta segunda-feira (27). Apesar do susto ninguém se feriu.

Publicado em

Do AssisNews
Mais um acidente em rotatória da Vila Glória em Assis é registrado

Mais um acidente foi registrado na rotatória que liga as avenidas Getúlio Vargas e Glória, na Vila Glória em Assis (SP). Desta vez a colisão, que aconteceu na manhã desta segunda-feira (27), envolveu um carro e uma motocicleta.

De acordo com informações, a colisão aconteceu por volta das 8h10, quando a motorista do carro seguia pela avenida Glória quando colidiu com o motociclista.

Apesar do impacto, no qual o motociclista foi arremessado, não houve gravidade no acidente. Contudo, a motocicleta foi parar em baixo do carro. Os veículos permaneceram no local durante alguns minutos e causou lentidão no trânsito.

Acidentes frequentes

Essa rotatória é conhecida pelos frequentes acidentes, ao menos uma vez ao mês uma nova colisão é registrada no local, segundo empresários e comerciantes próximos.

Um dos comerciantes, contou que quando o local era controlado por semáforos o número de acidentes no local era praticamente zero. Ainda segundo eles, um estudo deveria ser feito para que este cruzamento voltasse a ser controlado pelo semáforo.

Continue lendo

Polícia

Motorista morre após bater em traseira de caminhão de Tarumã

Acidente aconteceu em Lins. Homem de 54 anos dirigia uma Fiat Strada e não resistiu aos ferimentos.

Publicado em

Do JCNet
Motorista morre após bater em traseira de caminhão (Foto: Nova Tv/Reprodução)
Motorista morre após bater em traseira de caminhão (Foto: Nova Tv/Reprodução)

Um homem de 54 anos, que estava em uma Fiat Strada, morreu após bater o veículo na traseira de um caminhão na Marechal Rondon (SP-300), em Lins (102 quilômetros de Bauru), na noite deste sábado (25). A caminhonete capotou após a colisão 800 metros a frente do quilômetro 446 e ficou destruída.

De acordo com informações da Polícia Rodoviária de Lins, D.A.C. (somente as iniciais foram divulgadas pelo policiamento), conduzia a Fiat Strada, placas de Oriente, quando, às 22h35, colidiu na traseira de um caminhão VW/3132, de Tarumã. Ambos os veículos seguiam sentido Cafelândia-Guaiçara.

Depois da batida, a Fiat Strada ainda capotou e ficou virada na canaleta da Rondon. Bombeiros, concessionária e demais socorros foram acionados, mas a vítima não resistiu.
A Polícia Científica realizou a perícia técnica para tentar apurar as reais circunstâncias do acidente fatal.

Continue lendo

Polícia

Polícia Civil prende massoterapeuta suspeito de abusos sexuais em Marília

Ao menos cinco mulheres entre 27 e 45 anos acusam o homem sobre crimes durante sessões de massagem.

Publicado em

Do Marília Notícia

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Marília cumpriu na manhã deste sábado (25) um mandado de prisão preventiva contra um massoterapeuta de 58 anos, suspeito de ter praticado inúmeros casos de abuso sexual e estupro na cidade.

Ao menos cinco mulheres entre 27 e 45 anos depuseram nos últimos dias na Polícia Civil com acusações contra o homem que teria supostamente cometido os crimes durante sessões de massagem em uma clínica localizada na zona Leste.

O mandado de prisão foi expedido pela 3ª Vara Criminal e não existe prazo para soltura. Um inquérito está em andamento e a reportagem apurou que está sendo investigada a existência de outras possíveis vítimas.

A advogada Larissa Toríbio, responsável pelo projeto OAB Por Elas, que orienta vítimas de violência e abuso, defende algumas das mulheres que se dizem abusadas pelo massoterapeuta. Ela espera que outros casos venham à tona com a prisão preventiva.

As clientes de Larissa afirmam, diz ela, que tiveram suas partes íntimas tocadas pelo acusado durante sessões de massagem. Ele também teria introduzido o dedo na vagina de algumas delas, mas até agora não foram encontrados relatos sobre “conjunção carnal”.

“Ele é uma pessoa muito conhecida na área dele e me parece que trabalha há 20 anos na cidade”, afirma a advogada. “Ele vem fazendo isso há muito tempo. Um boletim de ocorrência de estupro foi registrado em 2012, porém acabou arquivado por falta de provas”.

“Há 15 dias ele estuprou outra vítima”, afirma a advogada, que foi procurada por essa mulher. Juntas elas identificaram outras pacientes do massoterapeuta que também se disseram abusadas sexualmente, conforme afirma.

Em torno de 12 vítimas já teriam sido contatadas, mas nem todas aceitaram depor. “São situações que geram muito trauma”, diz Larissa. “Essa mulher que registrou o BO há cinco anos tentou o suicídio três vezes, desenvolveu síndrome do pânico. As sequelas são terríveis”.

Outra mulher, de acordo com a advogada, relatou ter sido imobilizada pelo massoterapeuta, que teria habilidades relacionadas com artes marciais, ao tentar se desvencilhar dele. “As vítimas morrem de medo dele, como é comum que aconteça em casos desse tipo. Mas é preciso denunciar”.

Continue lendo
Solutudo 300
Silvana lopes
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas