Fique conectado

Música

Como ‘Jenifer’ nasceu de piada entre amigos, superou rejeição e virou hit do verão

Música mais tocada no Brasil veio de brincadeira sobre Tinder em Goiânia. Gusttavo Lima chegou a gravar, mas desistiu por letra não ser ‘de família’. Gabriel Diniz apostou e emplacou ‘ousadia’.

Publicado em

356

“Jenifer” tem uma trajetória de superação. Primeiro, os pais hesitaram sobre seu nascimento. Depois, um homem assumiu compromisso e a abandonou. Ela ainda enfrentou dúvida de gente experiente até ganhar o Brasil.

Na quarta-feira (9), a música irreverente desbancou o comportado pagonejo “Atrasadinha” no topo do Spotify no Brasil. “Jenifer” também já é líder no YouTube, onde acumula 67 milhões de views. É o primeiro nº 1 nacional de Gabriel Diniz, cantor de forró com um quê de humorista.

“É uma música diferente. É minha cara: alegre, ousada, irreverente. Eu sei que brasileiro gosta da fuleiragem, da cachorrada. É a cara do Brasil: a resenha, a brincadeira, o bom humor. Eu sabia que ia ser estouro”, diz o cantor Gabriel Diniz.

Mas o caminho para o estouro foi acidentado. A ideia quase não vingou entre seus 8 compositores, que buscavam músicas diferentes. Depois, Gusttavo Lima assinou contrato para gravar e desistiu. Gabriel Diniz assumiu a tarefa mesmo com a desconfiança da própria equipe.

Gabriel Diniz, cantor de ‘Jenifer’, com as atrizes do clipe. À esquerda, Mariana Xavier, encarna a Jenifer. A ex-namorada ciumenta é a ex-BBB Aline Gotschalg — Foto: Divulgação

A casa dos oito pais

Não era nada sério mesmo. O refrão sobre a tal Jenifer do Tinder, difícil de desgrudar da cabeça, veio de uma brincadeira de amigos. A diferença é que era um grupo de compositores de Goiânia, que soube transformar o papo em hit. “Jenifer” foi feita por oito compositores.

Na época, a turma de autores, que se autointitula Big Jhows, dividia uma casa em Goiânia. A união é comum no aquecido mercado musical goiano. Os membros dos “coletivos” de autores passam o dia fazendo músicas juntos e tentando vender para cantores famosos.

“A gente lá era tipo empresa mesmo. Todo dia almoçava junto e às 14h começava a compor. Primeiro sentava todo mundo na varanda. Depois separava em grupos e ia até umas 20h, quando começava a gravar e mandar para os artistas. Até 5 músicas por dia”, explica Léo Souza, 23 anos.

A ideia inicial de “Jenifer” foi de Junior Lobo, de 35 anos. Um dia, ele estava lanchando com amigos e, do nada, apareceu uma mulher e abraçou um deles. “A menina era meio feinha, e depois que ela foi embora, fui zoar ele: ‘E aí, é sua namoradinha?’. Ele respondeu: ‘Não, é do Tinder'”, diz.

A menção ao aplicativo de paquera acendeu uma luzinha na cabeça dele. “Veio na hora: isso é tema. A gente tem que botar Tinder numa música. Aí fui para outra dimensão. A gente lanchando lá e eu ‘matutando’ como ia ser a música”.

A casa em Goiânia onde nasceu ‘Jenifer’: Na imagem, estão 6 dos 8 autores entre amigos. Da esquerda, Junior Lobo (de boné preto) e sua esposa, Bárbara. Junior Avelar (boné azul), Thales Gui (boné para trás) e Allef Rodrigues (camisa preta, último à direita). Abaixados, Léo Souza e Thawan Alves — Foto: Arquivo Pessoal

‘Cindy’ contra a corrente

Mesmo inspirado, Lobo voltou para a casa e não falou nada com os colegas compositores. “Ele segurou, porque ele sabia que a gente não ia gostar muito. Estávamos numa ‘vibe’ de muita bachata e música romântica na época”, explica Léo.

Não eram só os compositores na casa que estavam nessa “vibe” em 2018. A suave bachata e as juras de amor pós-pegação dominam o sertanejo atual. Cantar sobre paquera no Tinder não cai tão bem entre muitos cantores de hoje.

O autor demorou dois dias para superar a hesitação e jogar a ideia na roda, no dia 4 de junho de 2018. Além de Léo, e Lobo, estavam na casa Thales Gui, Thawan Alves, Allef Rodrigues, João Palá, Fred Wilian e Junior Avelar. “Cada um vai falando uma bobagem e vai saindo a música”, descreve Léo.

De início, Lobo queria rimar Tinder com Cindy, mas a moça virou Jenifer. Encaixou melhor. De resto, os outros sete compositores seguiram a história que ele “matutou” para o personagem: “A mulher mandou ele embora, ele encontrou outra menina no Tinder, tava lá de boa com ela. A ex vê, se arrepende e chega lá xingando o cara. Ele dá a volta por cima”, resume Lobo.

Largada por Gusttavo Lima

Jenifer nasceu e foi apresentada ao mundo. Os compositores gravaram uma versão “demo” e mandaram a empresários e artistas. Lobo recebeu uma mensagem rápida no Instagram. Era Gusttavo Lima, que fechou com eles e pagou pelo direito exclusivo de gravar a música. Gol dos Big Jows.

Era só esperar o lançamento. Mas não rolou. “Ele fechou com a gente em um dia, e no outro já até gravou. Mas não soltou a música. Ele pagou e desistiu”, lembra Léo.

Gusttavo chegou a cantar “Jenifer” no mega festival São João de Campina Grande, em 1º de julho. “Recebi uma música de um amigo meu há uma semana”, ele disse no palco. “Nunca gravei músicas assim com esse tema. Achei muito engraçada essa letra.” Ele ensinou os fãs a cantar verso por verso e ainda comentou no fim: “Tem cheiro de hit. ”

O vídeo se espalhou pelo YouTube já como “a música nova do Gusttavo Lima”. Léo especula sobre a desistência: “Talvez ele não tenha gostado muito do comentário dos fãs nesses vídeos”, ele diz, notando que ela foge da linha super romântica atual do cantor.

GD na ponte ‘forronejo’

Gabriel Diniz se apresenta no réveillon do Lovina, em Cabedelo — Foto: Divulgação/Lovina Beach Club

“Jenifer” foi salva da gaveta de Gusttavo Lima por um cantor ativo na ponte entre Nordeste e Centro-Oeste. Gabriel Diniz. 28 anos, nasceu em Campo Grande (MS), mas foi criado em João Pessoa (PB), onde mora.

GD, como é conhecido, é astro do forró, mas transita bem no sertanejo. “Desde 2015 eu vou para Goiânia atrás de compositores. Fui o primeiro cara que saiu do Nordeste nessa busca. Depois foi o pessoal todo pra Goiânia: Wesley, Xand, até Simone e Simaria. Abrimos esse espaço para músicos e compositores”, ele diz.

Os maiores sucessos anteriores dele eram “Acabou, acabou”, com o parceiro de escritório Wesley Safadão (62 milhões de views no YouTube desde novembro de 2017) e “Paraquedas”, com Jorge e Mateus (18 milhões desde março de 2017).

Assim como Gusttavo Lima, Gabriel já era amigo dos Big Jhows. “Eles estavam me mostrando músicas, mas aí quando chegou em ‘Jenifer’, eles falaram ‘essa não, já está com o Gusttavo’. Eu quis ouvir mesmo assim. ”

Não é ‘de família’

“Na mesma viagem, eu ia encontrar o Gusttavo”, diz o bem-relacionado GD. “Ele queria minha opinião sobre algumas músicas.”

Eu disse: “Você está com um estouro mundial, que é ‘Jenifer’. Mas ele respondeu; “Eu sou homem de família, canto música de homem de família. Acho que essa não cabe gravar nesse momento. Eu falei: ‘Se for desistir, me diga'”.

Gusttavo estourou em 2011, com o “hoje vai rolar o tche tchererê tche tchê”, de “Balada”. Após fazer um dos maiores hits do “sertanejo pegação”, hoje é rei das rádios com o tal romantismo “de família”. O G1 procurou o cantor para comentar, mas não teve resposta.

No fim, Gabriel conseguiu comprar de Gusttavo a exclusividade de “Jenifer”, pelo mesmo valor que ele tinha pago aos compositores (eles não revelam a quantia). Tudo de forma amigável.

Lançado em setembro, o clipe tem a atriz Mariana Xavier, a Marcelina de “Minha mãe é uma peça”, encarnando a Jenifer. A ex ciumenta é a ex-BBB Aline Gotschalg. A música “foi crescendo devagarinho”, pelo país conta Gabriel. Ele diz que a equipe não esperava o resultado.

“Ninguém achou que ia ser esse sucesso. Nem o pessoal do meu escritório, nem meu empresário. O Wesley não acreditou, ninguém acreditou. Foi uma aposta minha, sozinho mesmo”, diz Gabriel Diniz.

Hit do carnaval?

A um mês do carnaval, a chegada de “Jenifer” ao 1º lugar a coloca na pole position da corrida para ser o grande hit da festa. Gabriel tem 12 shows marcados para os 4 dias de folia: Salvador, Recife, Olinda e Brasília são as principais cidades no circuito.

Ao contrário do personagem de “Jenifer”, Gabriel namora há dois anos e meio. Seu pai, que era bancário, hoje trabalha na administração de seu escritório. A mãe também cuida da sua carreira.

Ele é brincalhão ao comentar a música, mas sério ao falar de negócios. Diz que ainda vai avaliar os convites para shows e trabalhos no Rio e São Paulo. “O pessoal está pedindo, mas vamos estudar ainda como entrar. Não dá pra ir aleatoriamente”.

Léo, que no fim do ano saiu da casa dos Big Jhows para focar na sua própria dupla, Thales & Léo, reflete sobre o sucesso da composição, de longe o maior hit a sair da casa: “Tanta música sofrida, e fomos emplacar logo a ‘Jenifer’…”

Gabriel Diniz faz show em em Fernando de Noronha — Foto: Keila Castro/Divulgação

Entretenimento

Zé Neto desabafa sobre rotina de shows e chora em Americana: ‘Meu filho não quer falar comigo’

Declaração de sertanejo, que faz dupla com Cristiano, comoveu o público na 2ª noite da festa do peão neste sábado. Também se apresentaram Gustavo Mioto e Dennis DJ.

Publicado em

Do G1
Zé Neto se emocionou durante apresentação na Festa do Peão de Americana — Foto: Júlio Cesar Costa/G1
Zé Neto se emocionou durante apresentação na Festa do Peão de Americana — Foto: Júlio Cesar Costa/G1

Considerada a “dupla do momento”, Zé Neto e Cristiano tinha neste sábado (15) o show mais esperado da Festa do Peão de Americana, segundo votação dos internautas em enquete realizada pelo G1. A expectativa se confirmou. Durante quase duas horas, os sertanejos desfilaram alguns dos maiores hits da atualidade, além de surpreender e emocionar o público do rodeio. Zé Neto, em um momento de desabafo, chorou ao falar sobre a árdua rotina de apresentações.

“Eu peço desculpas, porque não estou em um dia muito bom. Sinto saudade do meu filho. Ele não quer falar comigo. Sei que ele é criança e não entende, mas um dia irá entender tudo o que faço por ele e nossa família. Muito obrigado por tudo que vocês tem feito por nós, estou aqui, porque amo cantar para vocês”, confessou Zé Neto, que se tornou pai há dois anos.

Zé Neto e Cristiano desfilaram hits durante show em Americana — Foto: Júlio Cesar Costa/G1 

Zé Neto e Cristiano desfilaram hits durante show em Americana — Foto: Júlio Cesar Costa/G1

Com um abraço, Zé Neto foi consolado pelo parceiro, que também lembrou a rotina puxada de shows, realidade vivida por muitos artistas. “A gente não consegue ser tão presente quanto gostaria. Não voltamos pra casa às 18h, como um trabalho normal. Não me lembro do último churrasco que fizemos em família”, disse Cristiano. Ele também afirmou que neste domingo (16) estariam de folga, em casa.

Zé Neto e Cristiano abriram o segundo show da noite com a estourada “Notificação Preferida” e foram recebidos com entusiasmo pelo público, que cantou junto com a dupla. Os amigos de infância, criados no interior de São Paulo, agradeceram os visitantes. Em seguida, eles emendaram os sucessos “A Gente Continua”, “Bateria Acabou” e “Seu Polícia”.

Zé Neto e Cristiano desfilaram hits durante show em Americana — Foto: Júlio Cesar Costa/G1 

Zé Neto e Cristiano desfilaram hits durante show em Americana — Foto: Júlio Cesar Costa/G1

Em clima de sofrência, o set list também contou com os hits “Estado Decadente”, “Amigo Taxista” e “Status Que Eu Não Queria”. Os fãs estavam afinados quando a dupla puxou os versos de “Largado às Traças” e fez a arena vibrar.

Recuperados, os sertanejos ainda trouxeram para o palco um momento de “modão de viola”, com sucessos de Tião Carreiro e Pardinho, Sérgio Reis, Milionário e José Rico e Trio Parada Dura. No show ainda teve espaço para clássicos de Bruno e Marrone e Leandro e Leonardo. Já passava das 4h20 deste domingo, quando Zé Neto e Cristiano se despediram dos fãs ao som de “Eu Ligo Pra Você”.

Gustavo Mioto abriu a noite

Com o recinto lotado, o jovem sertanejo, de 22 anos, abriu a segunda noite da festa em Americana. O cantor cumpriu a promessa que fez de trazer um novo show para a cidade. No repertório, hits do EP ‘Pé na Areia’, lançado em fevereiro, como “Fake News”, “3 da Manhã” e “A Lua e Eu”, embalaram os corações apaixonados dos casais. Com direito a chuva de papeis picados, Mioto cantou “Impressionando os Anjos” e emocionou os fãs.

O sertanejo lembrou do cantor Gabriel Diniz, morto no final de maio em um acidente aéreo. Ele se apresentaria na festa na próxima sexta-feira (21). “Com toda a alegria que vocês cantaram a última música, quero que vocês cantem essa que vamos dedicar ao nosso grande amigo Gabriel Diniz”, disse o cantor, que pediu à plateia uma salva de palmas após encerrar a música ‘Jennifer’.

O sertanejo também faz sucesso com o público solteiro. “Alguém mais concorda comigo que a vida de solteiro é muito mais gostosa?”, perguntou aos visitantes. Em seguida, brincou com uma fã que fazia a despedida de solteira na festa: “você vai casar dia 31 de agosto? Meus pêsames”, disse.

Especialmente para os solteiros de plantão, Mioto emendou os sucessos “Anti-Amor” e “Solteiro Não Trai”. O show ainda teve músicas de Marília Mendonça, Henrique e Juliano, Kevinho e Léo Santana, Anitta e até rock ’n roll. O cantor impressionou o público quando, na guitarra, puxou “Ana Júlia”, da banda Los Hermanos, e “Mulher de Fases”, dos Raimundos. O cantor saiu do palco às 2h35 para dar lugar a Zé Neto e Cristiano.

Dennis até amanhecer

A segunda noite de shows foi encerrada ao som de funk brasileiro. Às 5h em ponto, Dennis DJ assumiu o palco e, apesar do horário, o público se manteve no recinto. O DJ carioca está no topo, com 1,2 milhão e 2,3 milhões de seguidores no Spotify e no Youtube, respectivamente.

O Pancadão do DJ tirou o público do chão com as músicas “Só Você”, “Medley da Gaiola” e “Na Farra”. As músicas “Sou Teu Fã” e “Agora Tudo É Meu” também fizeram parte do repertório do artista que tocou até o amanhecer.

Neste domingo (16), a festa continua com Luan Santana e Fernando e Sorocaba, com ingressos disponíveis a partir de R$ 15.

Provas de montaria

No segundo round da Professional Bull Riders (PBR), 19 competidores conseguiram permanecer por 8 segundos nos touros. Silvano Alves, tricampeão mundial da modalidade, foi o melhor. No touro “Tempo de Mudança”, ele somou 86,75 pontos, a maior pontuação da noite, que também rendeu ao atleta a liderança da etapa de Americana.

Nas provas cronometradas, Ana Laura Savini Gomes foi a número um dos três tambores. A atleta marcou o menor tempo da noite: 17,336. Na segunda semifinal do Team Penning, a liderança ficou com o trio Valber Winston, Júnior Ferreira e Maurício Garcia, que somaram 27,438.

Na montaria em burros estilo “Traia Cheia”, Amarildo Rocha conquistou 65 pontos e foi o melhor da noite. Rocha está empatado em primeiro lugar com Tertuliano Rodrigues. Os dois peões têm 106 pontos.

Atleta praticante da modalidade de montaria em burro — Foto: Júlio Cesar Costa/G1

Atleta praticante da modalidade de montaria em burro — Foto: Júlio Cesar Costa/G1

Prova solidária

O ‘Desafio do Bem’, montaria especial para angariar fundos ao Hospital de Câncer de Barretos, foi no estilo ‘Traia Cheia’, com Tietê, burro invicto desde 2009. O peão Tertuliano Pereira foi o desafiado, mas não conseguiu permanecer os 8 segundos no lombo do animal.

A segunda prova da ação beneficente acontecerá no próximo sábado (22). Dessa vez, a montaria será em touro e o voluntário é o tricampeão mundial da PBR, Silvano Alves.

Para arrecadar recursos ao Hospital, até o dia 23, encerramento da festa, bandanas da instituição serão vendidas no recinto e o dinheiro será revertido integralmente à entidade.

Público acompanha a segunda noite da Festa do Peão de Americana — Foto: Júlio Cesar Costa/G1

Público acompanha a segunda noite da Festa do Peão de Americana — Foto: Júlio Cesar Costa/G1

Continue lendo

Música

Sem Luan Santana, Paula Fernandes canta hit sozinha em DVD

Desfalque de Luan Santana fez com que Paula Fernandes cantasse sozinha o dueto ‘Juntos’, durante gravação do DVD da cantora. No mesmo dia, o sertanejo estava curtindo o Dia dos Namorados com Jade Magalhães em Buenos Aires.

Publicado em

Do Terra
Sem Luan Santana, Paula Fernandes canta hit sozinha em DVD

Paula Fernandes realizou a gravação de seu novo DVD em Sete Lagoas, Minas Gerais, na noite desta quarta-feira (12).

Com o desfalque de Luan Santana, a cantora estave em busca de um novo parceiro para o feat de ‘Juntos’, versão brasileira de ‘Shallow’, canção romântica de Lady Gaga e Bradley Cooper, mas optou por fazer sozinha, com apenas a voz, violão e o coro dos fãs presentes na casa nortuna Clube Chalezinho.

No show, a sertaneja ainda recebeu outros famosos no palco, como Kell Smith, Gustavo Mioto e a dupla César Menotti e Fabiano.

Cantor recursou fazer dueto de ‘Juntos’: “Luan é insubstituível”

Gustavo Mioto foi bastante solicitado pelos internautas para substituir Luan Santana. Apesar do pedido dos fãs, o cantor não recebeu nenhum convite para dueto e, mesmo que tivesse sido convidado, não aceitaria substituir o amigo.

“Nunca fui convidado. Já tínhamos combinado outra música, sempre foi essa. E eu também não faria se fosse convidado. Não me sentiria confortável em fazer algo que o Luan fez. Ele é insubstituível. Eu entraria no ringue com o Anderson Silva pra que? Ele é incrível e eu não faria melhor do que ele”, explicou em entrevista ao jornalista Leo Dias.

Luan Santana curtiu Dia dos Namorados na Argentina

No mesmo dia da gravação do DVD de Paula Fernandes, Luan Santana já estava de viagem marcada para curtir mais um Dia dos Namorados com Jade Magalhães. Em Buenos Aires, na Argentina, o sertanejo compartilhou um clique para lá de fofa e com legenda apaixonada, destacando o amadurecimento do casal ao longo dos anos juntos.

“Eu acredito no amor. Acredito quando te olho. Acredito quando sorri pra mim. Estamos há 11 anos juntos, entre idas e vindas e mesmo assim você ainda me causa um frio na barriga. Pense, há 11 anos atrás eu tinha 17 anos e você, uma menina aprendendo a dar os primeiros passos na vida. Nós crescemos juntos em meio a tanta turbulência, e o amor sobreviveu. É por isso que acredito no amor. É por isso que canto ele nas minhas canções. Quero me casar com você, quero ter filhos com você, quero morar numa casa com uma cerquinha branca onde o sol se esconde por detrás da montanha. Seja minha esposa, minha mulher, a mãe dos meus filhos, a avó dos nossos netos, mas nunca deixe de ser minha namorada”, publicou.

Continue lendo

Música

Andre Matos, cantor de Angra e Shaman, morre aos 47 anos

Informação foi publicada pelas bandas Shaman e Angra nas redes sociais e confirmada ao G1 pelo baixista Luís Mariutti. Causa da morte não foi divulgada.

Publicado em

O roqueiro André Matos durante show em carreira solo em 2014 — Foto: Reprodução/Facebook/André Matos

Morreu neste sábado (8) Andre Matos, fundador das bandas Viper, Angra e Shaman e um dos maiores vocalistas do metal brasileiro. A informação foi publicada pelas bandas em suas redes sociais e confirmada ao G1, por telefone, pelo baixista da banda Luís Mariutti.

“O destino nos uniu, nos separou, nos reuniu e agora pregou mais essa com a gente. É com profunda dor em nossos corações que nos despedimos do Andre mais uma vez, desta vez de forma definitiva”, diz o comunicado assinado pelos companheiros e equipe da banda Shaman, Hugo Mariutti, Luís Mariutti, Ricardo Confessori, Fábio Ribeiro e Rick Dallal.

Atualmente, eles estavam em turnê de reunião da banda, em que Matos tocou entre 2000 e 2006. O último show que fizeram foi no domingo (2) e o próximo seria em 13 de julho no interior de São Paulo.

Os músicos que seguem no Angra, banda que Matos fundou em 1991, também falaram sobre a morte nas redes sociais. “Com muita dor recebemos a notícia do falecimento do Andre Matos. O Angra está de luto”, diz a nota publicada na conta oficial do grupo.

A causa da morte ainda não foi divulgada e não há informações sobre o velório.

Um dos grandes nomes do heavy metal, Matos nasceu em São Paulo em setembro de 1971 e começou a estudar música quando era criança.

A primeira banda em que fundou foi a Viper, quando ainda era adolescente, entre os anos 1985 e 1990. No Rock in Rio de 2013, o cantor fez um show em conjunto com a banda.

A criação do Angra aconteceu ao lado de Rafael Bittencourt e André Linhares, na época amigos de faculdade, em 1991. Matos gravou os quatro primeiros CDs da banda: “Angels Cry”, “Freedom Call”, “Holy Land” e “Fireworks”.

Ele seguiu no Angra até 2000, quando fundou a Shaman com o baixista Luis Mariutti e o baterista Ricardo Confessori, músicos que também fizeram parte da banda anterior. Eles tocaram juntos até 2006, quando Matos decidiu seguir em carreira solo.

No ano passado, no entanto, a banda se reuniu para uma turnê comemorativa. Eles fizeram uma apresentação em São Paulo no dia 02 de junho e tinham outra programada para 13 de julho em Santa Cruz do Rio Pardo (SP).

Continue lendo
WhatsAssp AssisNews
Solutudo 300
Publicidade

FaceNews

Mais lidas